terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Glossário de M a Z (segunda parte)

Glossário de M a Z (segunda parte)

Filomena Barata


Macellum (pl. macella) – mercado. Inicialmente localizava-se no Forum que, em certos dias, tinha mercado. Gradualmente vão-se autonomizando e afastando do forum.

Magister - Em sentido lato denomina-se assim qualquer pessoa que tem uma posição de poder. O termo era usado para os administradores de alguns oppida.


Em termos génericos, pois alguns dos poderes foram sendo alterados ao longo do tempo, os magistrados eram:

Cônsules - eram os magistrados encarregados de comandar o Exército Romano.
Lembremos, no entanto, que o imperador Augusto passou a ser o responsável máximo do Senado, «princeps senatus» (o primeiro do Senado), com poder de veto, e a ter o comando militar supremo, bem como poderes de tribuno e censor.
Augusto tornou-se assim comandante-chefe do exército, decidia da guerra ou da paz, tendo-se auto-nomeado "tribuno por toda a vida". Foi em 36 a.C.,que lhe foi atribuída a «tribunicia potestas» (poder de veto e inviolabilidade) e, em 29 a.C., passou a ter o título de imperator (comandante-em-chefe das forças armadas). Em 28 a.C., recebeu o título de «princeps senatus»; em 27 a.C., o de augusto.

Pretores - Magistrados encarregados de fazer a justiça.
Censores - Responsáveis pelo censo populacional.
Questores - Encarregados pela administração das finanças.
Edil - Responsável pela ordem pública e abastecimento das cidades.
Senador - Magistrado pertencente ao Senado Romano.

Mago - A «palabra «mago» viene, a través del griego (magos), del persa (magu). Designaba, en origen, una tribu meda (Herod., I, 101) que constituía —según los antiguos— una casta sacerdotal al tiempo que una clase social, al estilo, pues, de los brahmanes entre los indios. Sus deberes religiosos eran muy variados (sacrificios y libaciones, ritos funerarios, himnos rituales) y llevaban a cabo prácticas más de tipo adivinatorio (como la interpretación de sueños) que propiamente mágico. Muchos de estos magoi persas se vieron envueltos en las luchas dinásticas que concluyeron con la toma del poder por Ciro y Darío. (...) No puede sorprendernos, por tanto, que durante la época helenística y romana el mago egipcio estuviera identificado con el «sacerdote lector» (el hierogrammateus, o «escriba sagrado», en griego). Adquirir todos estos conocimientos (religiosos, filosóficos, científicos) exigía no sólo una iniciación, sino también un largo aprendizaje (incluido el de la escritura jeroglífica), pues constituía una ars o téchne, una scientia o sophía, generalmente consignada en libros. Era pues necesario iniciarse en ella pero también estudiarla, aprenderla. La arqueología ha puesto al descubierto cámaras y galerías secretas en el Serapeion de Alejandría o en los templos de Dendera y Edfú, donde transcurría el largo aprendizaje de los sacerdotes egipcios. 
En todas las culturas del mundo antiguo los hombres y mujeres que se entregaban a las prácticas mágicas —y, en general, todo especialista religioso— solían pasar una iniciación ritual; pero también debían reunir unas facultades especiales que a veces reclamaban de los dioses como nos recuerda Platón, en su República-, ... por su parte los adivinos y sacerdotes itinerantes (agyrtai kai manteis) van llamando a la puerta de los ricos y les convencen de que han recibido de los dioses poder para borrar, por medio de sacrificios o conjuros [...] cualquier falta que haya cometido alguno de ellos o de sus antepasados; y si alguien desea perjudicar a un enemigo, por poco dinero lo harán, sea justo o injusto, valiéndose de encantos o de ligámenes, ya que, según aseguran, tienen a los dioses convencidos para que los ayuden (364 b-c).La magia fue uno de los elementos más decisivos para la penetración de los cultos egipcios en Occidente, dado que las ideas o especulaciones teológicas apenas jugaron papel alguno. Los ritos y fórmulas mágicas de los magos egipcios o persas cautivaron al pueblo romano. En Roma nunca llegó a desarrollarse una magia de características propias; ésta se practicaba, sobre todo, en el campo (para atraer o rechazar las lluvias, para hacer pasar las cosechas de un campo a otro) y estaba particularmente vinculada a la medicina. Roma toma tardíamente (a mediados del siglo i a.C.) el término magus del griego. La magia griega y especialmente la amorosa fascinó a los latinos, como refleja la literatura desde Levio a Virgilio. Por lo general la figura del mago se asocia con extranjeros, sobre todo griegos, tesalios y, más tarde, egipcios. Las autoridades romanas se resistieron inicialmente a ellos dictando orden de expulsión en tres ocasiones: en el 33 a.C. (junto a los astrólogos), en el 28 a.C. y en el 8 a.C. Muchos de los juicios de maiestas celebrados durante la dinastía Julio-Claudia tuvieron como causa las consultas de los particulares a los magos sobre el futuro del emperador o de los miembros de la familia imperial. Pero con el paso del tiempo fueron tolerados cada vez más e incluso atraídos a la corte. Durante el Imperio conocemos nombres de magos célebres, sobre todo de origen egipcio, al servicio del Estado o del emperador como Queremón, preceptor del emperador Nerón, o Arnufis, colaborador de Marco Aurelio. Pertenecen a una élite de profesionales admirada por sus conocimientos religiosos, filosóficos y científicos».


MONTERO, Santiago, 1997, Diccionario de Adivinos, Magos y Astrólogos de la Antiguidade.
Editorial Trotta, Madrid



Maia Maietas - divindade cultuada em início de Maio (ver artigo neste mesmo site sobre as Maias)

Maietas (lat.) – exaltação do poder imperial.


Maltha – mistura de cal, banha de porco e sumo de figos verdes, utilizada como impermeabilizante.


Mansio ou mutatio - estalagem ou estação de muda.

Mancipium, (plural Mancipia)  - Servos que assim são designados porque os miltares vendiam os cativos de guerra e deve-se ao facto de serem  tomados "à mão" dentre os inimigos.




Na fotografia: escravos romanos acorrentados. Ashmolean Museum



Imagem a partir de: CC BY-SA 2.0ver termos

Jun - Flickr: Roman collared slaves



"Mancipium,

Mango - Mercador enganador, sobretudo de escravos a quem simulava uma aparência mais favorável.



Lucerna com representação de um gladiador possivelmente trácio (?). Museu de Bonn.

Manica - protecção do braço direito.


Manicae - também é usado para designar as algemas ou grilhões que também serviam como grilhões para gado, mas a sua função associa-se aos prisioneiros de guerra.

Manus - mão. Esta palavra também designou primitivamente a autoridade do chefe de família. O poder do 
Paterfamilias sobre todas as pessoas que estavam in patria potestate.

Manumissio - acto de libertar um escravo.


Mansae (latim) – No Alto Império, as mansae eram mesas de pé de galo, de madeira ou de bronze, ou prateleiras de mármore assentes num só pé e destinadas a expor à admiração do visitante os objectos mais preciosos da residência (cartibula). 
Utiliza-se ainda este termo para um tipo de sepulturas muito específico, como se podem encontrar nas Ruínas da Península de Tróia, descrevendo-se a sua forma como apropriada para serem feitas libações junto dos defuntos.





Sepulturas de Mansae. Ruínas de Tróia. Fotografias: Filomena Barata

Mansiones (Pl. mansiones) – significa estalagem, pousada, mansão, onde repousariam os viajantes no tempo de dominação romana, Ver Stationes .

Margines - área para o uso exclusivo pedonal junto às viae.

Mathematicus – em latim designava  a pessoa que se dedicava às matemáticas, mas também os astrólogos que delas se serviam nas suas adivinhações.

«mathematici o astrologi, ambos términos son usados, sin embargo, para designar también —durante el Imperio— al astrónomo: el término «astronomía» es atestiguado sólo a partir de época neroniana (Sen., Ep., 9 5 ,1 0 ; Petron., Sat., 88, 6) y el de astronomus aún más tarde. 26 INTRODUCCIÓN Los primeros astrólogos debieron de llegar a Roma a comienzos del siglo ii a.C., pues no sólo son citados por Catón (De agr. 5), sino que un edicto fechado en el año 139 a.C. les obliga —por primera vez— a abandonar Italia en un plazo inferior a diez días. Pero este tipo de disposiciones oficiales se reveló poco eficaz, como demuestra el hecho de que se repitieran continuamente a lo largo de cuatrocientos años. Los astrólogos no sólo no abandonaban Roma sino que fueron sumándose a otros procedentes sobre todo de Egipto y de ciudades greco-orientales. Durante el Imperio, la astrología conquistó casi todos los estratos de la sociedad romana, desde los esclavos hasta el emperador. Buscaban en ella lo mismo que en otros ámbitos de la adivinación tradicional, como la auguratio o la haruspicina: las llamadas «iniciativas» (gr. katarchái-, lat. electiones), es decir, saber si una empresa iba a tener éxito. Otro método astrológico —éste más complejo y costoso— era la elaboración de un horóscopo, es decir, la determinación de los astros en el momento del nacimiento o —incluso— de la concepción de un individuo; dicha disposición determinaba el destino de la persona así como la fecha de su muerte. Juvenal (Sat., VI, 575-581) nos dice que las mujeres constituían las mejores clientes de los astrólogos. Pero, como ya se ha dicho, tanto la plebe como la aristocracia consultaron en mayor o en menor medida a los astrólogos. Las diferencias entre una y otra eran, básicamente, dos: los motivos de las consultas y el prestigio profesional del astrólogo»


MONTERO, Santiago, 1997, Diccionario de Adivinos, Magos y Astrólogos de la Antiguidade.
Editorial Trotta, Madrid



Matrimonium - Matrimónio (ver neste mesmo site o artigo sobre A Mulher Romana) 

Ver os vários tipos de matrimónio entre os Romanos: confarreatio; coemptio; usus (in A Vida Quotodiana em Roma, p: 105). 
http://ancienthistory.about.com/od/marriage/a/RomanMarriage.htm

Media Cavea - Anel intermédio das bancadas do teatro, composto por degraus. Como o próprio termo indica,  pressupõe a existência de um anel inferior (imma cavea) e de outro superior (summa cavea).

Meditrinalia - festival celebrado em 11 de outubro, em homenagem ao fim da vindima e ao vinho novo.


Meditrina - deusa romana que parece ter sido uma invenção romana tardia para explicar a origem do Meditrinalia. http://derecoquinaria-sagunt.blogspot.pt/2006/09/ante-diem-v-idus-octobres-meditrinalia.html Ver também Vinha/vinho em  Espécies vegetais neste mesmo Site. http://www.portugalromano.com/2013/02/as-especies-vegetais-e-animais-de-mirobriga/


Melandrya - lombos de atum salgados e secos. A designação dada por Plínio (N. H. IX. 48) deve-se ao facto de se assemelharem a uma prancha de carvalho, pela sua cor acastanhada mas também pela consistência dura que adquire depois de seco, após ser retirado do sal.


Mensores frumentariim; frumentarri  ou mensores tritici (latim) eram soldados especializados do exército romano.  A partir da época de Adriano passaram a assumir o papel de agentes da polícia secreta.


Mercatores frumentarii - mercadores de alimentos.
Ver: https://www.academia.edu/3267861/Puteoli_porto_annonario_e_il_commercio_del_grano_in_et%C3%A0_imperiale_in_Le_ravitaillement_en_bl%C3%A9_de_Rome_et_des_centres_urbaines_Actes_du_Coll._Intern._%C3%89c._Fran%C3%A7._de_Rome-Centre_J._B%C3%A9rard_14-16_feb._1991_Rome-Naples_1994

Merellus - Jogo do Moinho (Merellus)

Metae – Nas extremidades do circo romano existiam as metas.

Meretrix - prostituta.

Ver: Juvenal
«Prostitution as Labor in Imperial Rome»
Erin K. Fenton

Studies in Mediterranean Antiquity and Classics
Volume 1 Imperial Women
Issue 1 Article 3
4-24-2007
http://digitalcommons.macalester.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=1007&context=classicsjournal


Militaria - Esta designação «engloba o conjunto de instrumentos necessários à função militar, compreendendo por isso todo o equipamento militar, onde também se inclui o armamento. Cada uma destas categorias inclui subdivisões, como é o caso das armas, agrupadas quer pela sua função (ataque ou defesa), quer pela forma como são empunhadas».

Ver:
Coleção de metais do sítio arqueológico dos Chões de Alpompé – Santarém
CARLOS FABIÃO
TERESA RITA PEREIRA
JOÃO PIMENTA
CIRA ARQUEOLOGIA IV

Miles - soldado.

Militia Vigilum - os Vigiles eram um corpo instituído por Augusto em 6 d.C. para  para fazer vigilância à cidade e combater os incêndios usando baldes e bombas de água, bem como ganchos para derrubar prédios e controlar o avanço das chamas.  Funcionavam também como uma força policial.




Em Roma já havia um sistema de protecção civil, tendo, no ano 6 d. C., o imperador Augusto reforçado o corpo de vigilância à cidade, os «Militia Vigilum», de forma a também melhor combater os incêndios, quando eram usados baldes e bombas de água, bem como ganchos para derrubar prédios e controlar o avanço das chamas.Em resumo, esses "vigiles" patrulhavam as ruas da cidade para impedir a origem de possíveis incêndios e também para policiar a cidade e manter a ordem.
Os «Vigilae» eram guardas da noite, em oposição a «Excubiae», guardas diurnos e os «vigilae acquarii» equiparados aos actuais bombeiros.
Sabe-se que esse corpo contava em Roma com cerca de 7.000 efectivos com escalas hierárquicas diferenciadas, incluindo um Prefeito, um sub-Prefeito, dez Tribunos, cem Centuriões, cem Vixillarii (Vexillatio - Destacamento militar, subdivisão de uma «cohors», que era por sua vez parte de uma legião. O «vexillum» era o seu estandarte. O portador de uma vexillum era conhecido como um «vexillarius» ou «vexillifer».
Mas era ainda composto por um número inderminado de bombeiros com distintas designações: Acquarii, Siphonarii, Uncunarii e Falcarii.
Este corpo serviu até a queda do Império Romano, sendo o primeiro corpo criado exclusivamente para combater os incêndios.

Na fotografia: Bomba Hidráulica Romana de bronze, proveniente de Huelva.
Museo Arqueológico Nacional, Madrid.

Para melhor concer a forma como funcionavam, poderá consultar:
http://ceres.mcu.es/pages/ResultSearch?Museo=MANT&txtSimpleSearch=Cala%F1as&simpleSearch=0&hipertextSearch=1&search=advancedSelection&MuseumsSearch=MANT%7C&MuseumsRolSearch=36&listaMuseos=%5BMuseo+Arqueol%F3gico+Nacional+%28Colecci%F3n+Tesoros+del+MAN%29%5D


Mimulae - Actrizes dos Mimos.

Mineração e Metalurgia - Ver : Plínio Apiano (p.78) Estrabão (3,2,8-10); Diodoro (5, 33, 3 – 4) T. Lívio (31, 34, 4) «Urbanismo y Sociedade en Hispania», José Maria Blázquez, pp: 76 a 80). «Agricultura y Mineria romanas durante El Alto Imperio», José Maria Blázques «O Homem Romano», p. 184 «Fishing processing and Mining in Lusitania» «Two industries in Roman Lusitania, Mining and Garum prodution». Boletim do Conselho da Europa sobre Mineração. «Portugal Romano, a Exploração dos Recursos Naturais», MNA, 1997 Para pesquisa de bibliografia actualizada, pode consultar: «Alguns aspectos da mineração romana na Estremadura e Alto Alentejo / On Roman mining in Portuguese Estremadura and Upper Alentejo Alguns aspectos da mineração romana na Estremadura e Alto Alentejo / On Roman mining in Portuguese Estremadura and Upper Alentejo Cardoso, J.L.; Guerra, A.; Fabião, C. published in: Cardoso, J. L. / Almagro-Gorbea, M. (Eds) Segundo Plínio, (4,115), «Também se têm cometido erros a respeito de rios célebres. Segundo Varrão, o rio Minho, que atrás referimos, dista duzentas milhas do Emínio, que alguns autores pensam ser noutro lugar e a que chamam Lima, pelos antigos chamado “do Esquecimento” e a que andam associadas muitas lendas. O Tejo dista do Douro duzentas milhas, ficando entre eles  o Munda. O Tejo é famoso pelas suas areias auríferas. Distando dele cento e sessenta milhas, ergue-se o promontório Sacro, aproximadamente a meio da parte frontal da Hispânia». (Seg. edição «Plínio o Velho e a Lusitânia», Almílcar Guerra, Edições Colibri).


Medicus - Médico.
Os antigos romanos tiveram o seu próprio conhecimento sobre o emprego medicinal dos vegetais, pese a tradição grega herdada, tendo os tratamentos das doenças com base nas ervas e outras plantas medicinais chegado até nós graças às obras de diversos autores da época, principalmente de médicos e enciclopedistas, como Catão, O Censor, Plínio, O Velho, Celso, Dioscorides e Galeno.
Durante muito tempo os cuidados com os doentes em Roma eram prestados dentro do próprio ambiente familiar, pelo paterfamilias, que era responsável pelo tratamento de familiares, de criados, escravos e animais.


Esse tipo de medicina era sustentado na tradição, com base no conhecimento empírico do efeito terapêutico de ervas, cultivadas no próprio ambiente e ministradas muitas vezes conjuntamente com rituais cantados e falados, de natureza religiosa e mística.
«Grosso modo, podem ser identificadas três etapas na evolução da medicina romana: a primeira, exclusivamente tradicional e empírica, que vigorou desde os primórdios da civilização romana até por volta do século III a.C. quando começou a se verificar o processo de penetração da medicina grega, com a chegada dos primeiros médicos da Grécia, atraídos pela possibilidade de adquirirem fortuna e fama em vista da pujança econômica e política de Roma. Por fim, podemos identificar o processo de “romanização” da medicina grega, hipocrática e alexandrina, que se inicia por volta do primeiro século de nossa era e vai se consolidar com Galeno, em meados do século II d.C.


Assim, numa medicina em que os médicos e seus tratamentos conviviam com a medicina tradicional do paterfamilias, muitos dos tratamentos eram baseados na observação do efeito de plantas, tema deste trabalho, no qual procuraremos identificar e avaliar o emprego das ervas com propriedades terapêuticas mais utilizadas pelos romanos».


Cit. in Medicamentos na Roma Antiga - Plantas Medicinais

http://netogeraldes.blogspot.pt/2013/03/medicamentos-na-roma-antiga-plantas.html
«Catão foi um dos primeiros enciclopedistas e escreveu um tratado, uma espécie de manual chamado De Agri Cultura no qual, em alguns capítulos, podem ser encontradas orientações para os cuidados médicos que deviam ser adotados para os escravos e para o gado. Entre os medicamentos preconizados por Catão, destacam-se aqueles que eram preparados com abóbora; crua ou cozida, ingerida ou aplicada nas feridas e lesões. Quando os tratamentos com a abóbora não curavam os escravos, Catão recomendava que eles deveriam ser colocados em liberdade. (9) No De Agri Cultura, ele recomendava remédios para vários tipos de afecções e apresentava a receita detalhada para a preparação e uso do medicamentum. Para dores abdominais e problemas intestinais causados por tênias e lombrigas ele recomendava: Pegue 30 romãs ácidas, esmague, coloque em uma jarra com três congii [Congii =plural de congius= medida de volume romano que corresponde a cerca de 3,25 litros atuais.] de vinho preto forte e feche o recipiente. Trinta dias depois abra e use. Tome uma hemina [Hemina= medida de volume romana que correspondia a cerca de 270 ml] antes de comer. Com uma receita com folha de romã, vinho envelhecido, raiz de funcho, incenso, mel cozido e vinho de manjericão, era possível eliminar os vermes e tratar a dispepsia. Era necessário, entretanto que o paciente subisse em uma pilastra e pulasse para baixo dez vezes».Catão. DeAgriCultura.





Como antes se dizia, gradualmante foram-se especializando, existindo em Roma diversos tipos de médicos.


«§ Clinici (clínicos) tratavam doenças internas. Os clínicos ilustres chegavam junto ao enfermo levando consigo um séquito de médicos principiantes; auscultavam, tocavam, observavam e, em virtude do ofício de mestres, faziam auscultar, tocar e observar. Marcial descreve uma dessas cenas: "Estava indisposto; eis que logo Símaco vem visitar-me acompanhado de cem discípulos: tocaram-me cem mãos, cem mãos geladas. Não estava com febre, agora estou". § Fannius - laringólogo. § Eros - cirurgião estético. § Alcon - operador de hérnias e de fraturas. § Medici oculari - Oculistas que tratavam das doenças dos olhos, mas não podiam receitar óculos, pois os mesmos constituem uma invenção bem posterior. Remédios e Instrumentos -

Como em Roma não havia farmácias, cabia aos médicos o preparo das receitas, tendo, nesse aspecto, . É interessante os profissionais de grande liberdade.



“theca”, ou caixa com vários compartimentos que eram usadas pelos médicos, quando viajavam ou visitavam os seus pacientes, utilizadas para guardar os medicamentos. «Eram uma série de caixas de bronxe, marfim ou madeira que estabam divididas em compartimentos pequenos cada um com a sua própria tampa e que serviam para conter distintos remedios médicos, como unguentos. Algumas destas caixas estabam decoradas com representações do deus Esculápio, deus da medicina e da cura». Em Augusta Emerita foram encontadas duas dessas caixas, uma delas contendo os compostos medicinais. Legenda e fotografia a partir de: https://www.facebook.com/pages/Museo-Nacional-de-Arte-Romano/121327647938617[/caption]
O termo medicamento é derivado do latim medicamentum, «vocábulo que tem o mesmo tema de médico, medicina, medicar, etc., e que deriva verbo medeor, que significa cuidar de, proteger, tratar. Medicamentum, em latim, tinha também o sentido de beberagem mágica, bruxaria, feitiço. Remédio é derivado de remedium, aquilo que cura».


"Remédio tem um sentido mais amplo que medicamento. O remédio compreende tudo que é empregado para a cura de uma doença. (...) O exercício pode ser um remédio, porém nunca é um medicamento. Remédio é termo mais extensivo que medicamento, é o gênero de que este é a espécie».


Cit. in Medicamentos na Roma Antiga - Plantas Medicinais




É conhecido o uso de compostos de zinco na farmacologia romana, especialmente para o tratamento de doenças oculares. A descoberta de remédios antigos, embora seja rara em boas condições, foi atestada no navio Relitto del Pozzino. Ver: «Fármacos foram encontrados num antigo navio romano naufragado na costa italiana» http://www.cienciahoje.pt/index.php?oid=56640&op=all «Medicamentos empregados: § Ervas, raízes, ungüentos, emplastos eram usados e abusados. § Laserpicium - Planta medicinal que Plínio chamou de um dos maiores dons da natureza. O suco da raiz do laserpício era sobremaneira apreciado e tinha múltipla aplicação nas convalescenças, nos estados de prostração, nas digestões difíceis, nos distúrbios circulatórios e nas doenças das mulheres. Era empregado para curar feridas e chagas e para amadurecer os obsessos. Curava a dor de garganta, asma e mil e uma outras moléstias. Servia também como antídoto contra mordeduras de cobras e picadas de escorpiões. O laserpício apenas se revelava impotente contra dores de dente. Nesses casos dolorosos aconselhava-se a polpa da abóbora com absinto e sal. § Para a boa conservação dos dentes: Lavar a boca com sangue de tartaruga três vezes ao ano ou dissolver sal sob a língua pela manhã em jejum. § Contra as devastações da calvície: Infusão de vinho, açafrão, pimenta, laserpício e excremento de rato. § As enfermidades dos olhos eram tratadas com colírios preparados com substâncias vegetais como resina de mirra, açafrão e pós minerais». A partir de: http://www.vergaranunes.com/latim/cultura/medicina.htm A beladona, o meimendro ou belenho e a mandrágora que, em fase posterior, ficaram associadas à bruxaria, eram ervas medicinais, provocando efeitos alucinogéneos ou afrodisáiacos. A "Madragora Officinarum", oriunda da região mediterrânica, tinha efeitos narcóticos. O Belenho ou Meimendro era já usado entre os Egípcios para aliviar a dor e induzir o estado de incosnciência. Na Grécia Antiga era utilizado em envenenmentos e para processos divinatórios. Ao que se sabe, esta planta era utilizada no Oráculo de Delfos, onde as Sacerdotizas ingeriam o sumo das suas sementes. http://www.i-flora.iq.ufrj.br/hist_interessantes/ervas_bruxas.pdf Sobre as plantas medicinais recomendamos ainda a leitura de: «Medicamentos na Roma Antiga- Plantas medicinais». http://netogeraldes.blogspot.pt/2013/03/medicamentos-na-roma-antiga-plantas.html Em Miróbriga é conhecida uma inscrição que refere a existência de um medicus pacensis: verosimilmente, Gaio Átio Januário, que deixou dinheiro para que se pudessem efectuar os quinquatrus ou jogos no circo.


Remédios e Instrumentos - Desde épocas remotas, o paterfamilias romano costumava preparar os remédios caseiros para os doentes de sua família. Como em Roma não houvesse farmácias, cabia aos médicos o preparo de suas receitas. É interessante observar que, nesse ponto, gozavam os profissionais de grande liberdade.

«O termo medicamento é derivado do latim medicamentum, vocábulo que tem o mesmo tema de médico, medicina, medicar, etc., e que deriva verbo medeor, que significa cuidar de, proteger, tratar. Medicamentum, em latim, tinha também o sentido de beberagem mágica, bruxaria, feitiço».





Medicamentos na Roma Antiga- Plantas medicinais | Xarope de letrinhas

netogeraldes.blogspot.com
A medicina na Roma Antiga. O uso de plantas medicinais. As obras de Catão, Plinio, Celso e Dioscorides.


É conhecido o uso de compostos de zinco na farmacologia romana, especialmente para o tratamento de doenças oculares. A descoberta de remédios antigos, embora raros,  e em boas condições foi atestada no navio Relitto del Pozzino. Ver: «Fármacos foram encontrados num antigo navio romano naufragado na costa italiana» http://www.cienciahoje.pt/index.php?oid=56640&op=all 

Medicamentos empregados: § Ervas, raízes, ungüentos, emplastos eram usados e abusados. § Laserpicium - Planta medicinal que Plínio chamou de um dos maiores dons da natureza. O suco da raiz do laserpício era sobremaneira apreciado e tinha múltipla aplicação nas convalescenças, nos estados de prostração, nas digestões difíceis, nos distúrbios circulatórios e nas doenças das mulheres. Era empregado para curar feridas e chagas e para amadurecer os obsessos. Curava a dor de garganta, asma e mil e uma outras moléstias. Servia também como antídoto contra mordeduras de cobras e picadas de escorpiões. O laserpício apenas se revelava impotente contra dores de dente. Nesses casos dolorosos aconselhava-se a polpa da abóbora com absinto e sal. § Para a boa conservação dos dentes: Lavar a boca com sangue de tartaruga três vezes ao ano ou dissolver sal sob a língua pela manhã em jejum. § Contra as devastações da calvície: Infusão de vinho, açafrão, pimenta, laserpício e excremento de rato. § As enfermidades dos olhos eram tratadas com colírios preparados com substâncias vegetais como resina de mirra, açafrão e pós minerais». A partir de: http://www.vergaranunes.com/latim/cultura/medicina.htm A beladona, o meimendro ou belenho e a mandrágora que, em fase posterior, ficaram associadas à bruxaria, eram ervas medicinais, provocando efeitos alucinogéneos ou afrodisáiacos. A "Madragora Officinarum", oriunda da região mediterrânica, tinha efeitos narcóticos. O Belenho ou Meimendro era já usado entre os Egípcios para aliviar a dor e induzir o estado de incosnciência. Na Grécia Antiga era utilizado em envenenmentos e para processos divinatórios. Ao que se sabe, esta planta era utilizada no Oráculo de Delfos, onde as Sacerdotizas ingeriam o sumo das suas sementes. http://www.i-flora.iq.ufrj.br/hist_interessantes/ervas_bruxas.pdf






Material cirúrgico procedente de Pompeya en el museo de Nápoles. Fotografia obtida a partir de: https://www.facebook.com/pages/Traianvs-Ingenier%C3%ADa-Romana/151487124895824

Em Miróbriga é conhecida uma inscrição que refere a existência de um medicus pacensis: verosimilmente, Gaio Átio Januário, que deixou dinheiro para que se pudessem efectuar os quinquatrus ou jogos no circo. Em Roma já havia vário tipo de especialistas, designadamente dentistas, cirurgiões, ginecologistas ou mesmo oculistas, os Medici oculari
No caso da imagem e servindo-nos da descrição do Museo Nacional de Arte Romano, está retratada uma oftalmologista operando os olhos do paciente. Ao que se sabe, a operação às cataratas era já efectuada em período romano.  Em gratidão, alguns pacientes escreveram textos nas paredes das ruas para os oftalmologistas ou medici oculari como "meus olhos foram curados pelos deuses: Agradeço a Baite", ou "Higinio disse, curou o meu olho rapidamente".




Conjunto de médico romano. Sepultura do quartel de Artilharia (Mérida). Foto: Abelardo de la Barrera (1942). Archivo MNAR de Mérida.



Ara funerária de um médico romano, no reverso pode ver-se um recém nascido. Museu Nacional de Arte Romano. Mérida. Fotografia José Manuel Jérez Linde

Médico - Havia em Roma diversas especialidades distintas a que se dedicavam os médicos.§ Clinici (clínicos) tratavam doenças internas. Os clínicos ilustres chegavam junto ao enfermo levando consigo um séqüito de médicos principiantes; auscultavam, tocavam, observavam e, em virtude do ofício de mestres, faziam auscultar, tocar e observar. Marcial descreve uma dessas cenas: "Estava indisposto; eis que logo Símaco vem visitar-me acompanhado de cem discípulos: tocaram-me cem mãos, cem mãos geladas. Não estava com febre, agora estou".§ Fannius - laringólogo.§ Eros - cirurgião estético.§ Alcon - operador de hérnias e de fraturas.§ Medici oculari - Oculistas que tratavam das doenças dos olhos, mas não podiam receitar óculos, pois os mesmos constituem uma invenção bem posterior.




Estojo de dentista. Colecção Bustorf Silva. Museu Nacional de Arqueologia

Remédios e Instrumentos - Desde épocas remotas, o paterfamilias romano costumava preparar os remédios caseiros para os doentes de sua família. Como em Roma não houvesse farmácias, cabia aos médicos o preparo de suas receitas. É interessante observar que, nesse ponto, gozavam os profissionais de grande liberdade.

Medicamentos empregados: Ervas, raízes, ungüentos, emplastos eram usados e abusados. Laserpicium - Planta medicinal que Plínio chamou de um dos maiores dons da natureza. O suco da raiz do laserpício era sobremaneira apreciado e tinha múltipla aplicação nas convalescenças, nos estados de prostração, nas digestões difíceis, nos distúrbios circulatórios e nas doenças das mulheres. Era empregado para curar feridas e chagas e para amadurecer os obsessos. Curava a dor de garganta, asma e mil e uma outras moléstias. Servia também como antídoto contra mordeduras de cobras e picadas de escorpiões. O laserpício apenas se revelava impotente contra dores de dente. Nesses casos dolorosos aconselhava-se a polpa da abóbora com absinto e sal.§ Para a boa conservação dos dentes: Lavar a boca com sangue de tartaruga três vezes ao ano ou dissolver sal sob a língua pela manhã em jejum.§ Contra as devastações da calvície: Infusão de vinho, açafrão, pimenta, laserpício e excremento de rato.§ As enfermidades dos olhos eram tratadas com colírios preparados com substâncias vegetais como resina de mirra, açafrão e pós minerais».A partir de: http://www.vergaranunes.com/latim/cultura/medicina.htm

A propósito das Mulheres na Medicina, recomendamos a leitura de
Mª Ángeles ALONSO, Medicae y obstetrices en la epigrafía latina
del Imperio romano. Apuntes en torno a un análisis comparativo / 267

Melqart: divindade favorita de Gadir (Cádis). Deus da navegação e dos navegantes fenícios. Segundo Esmeralda Gomes Merlão: o mesmo que ameia Neptuno: divindade marinha protectora dos colonizadores e comerciantes.

Ménades - mulheres que cumpriam o culto a Dioniso, também conhecidas por bacantes, tíades ou bassáridas, reconhecidas pela forma quase selvagem de dançar, como se estivessem em transe, ou êxtase, e em consnância com as forças primitivas da natureza.


Mithraeum - templo dedicado a Mitra.


Ver: http://www.mithraeum.eu/search.php?t=tauroctony

Modiolus - o trépano consistia numa lâmina, redonda e dentada na parte inferior, unida a uma broca, e com um espigão no interior. Era utilizado na medicina para realizar trepanações, e eram maioritariamente de ferro. http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/1782/1/22837_ulfl076027_tm.pdf

Modius - medida romana que corresponde aproximadamente a 9 litros.



A cock on a modius, a dedication by M. Modius Maximus, archigallus coloniae Ostiensis. From Rieger 1994, Abb. 119a-b.

http://www.ostia-antica.org/regio4/1/1-3.htm


Módulo arquitectura clássica define a medida do raio do fuste das colunas, tirado na base. Estabelece as proporções dos diversos elementos para cada uma das ordens arquitectónicas.

Molendium - moinho.

Mortaria - almofarizes






Almofariz proveniente de Miróbriga.




Almofariz proveniente de Ammaia



Mós -
Mó proveniente de Tróia. Fotografia Manuel Heleno. MNA.


Mos  maiorum -    respeito aos costumes dos antepassados ou dos ancestrais
Mosaico - Revestimento de pavimento. A técnica da arte musiva consiste na colocação de pequenos fragmentos de pedras - tesselas - a exemplo do mármore e granito moldados  pedras semi-preciosas, pastilhas de vidro, seixos e outros materiais, sobre uma argamassa de cal e areia. Ver Opus tesselatum - pavimento revestido com tesselas ou tesserae.









Mosaico de Villa Cardílio. Fotografia de Ana Lourenço






Mosaico Oceano. Museu Arqueológico de Faro. Fotografia Álvaro Rosendo.




http://iha.fcsh.unl.pt/uploads/RHA-6-8.pdf http://unlpt.academia.edu/CatiaMourao/Papers/416266/Motivos_aquaticos_em_mosaicos_antigos_de_Portugal_-_Decorativismo_e_Simbolismo http://www.dosalgarves.com/revistas/N2/6rev2.pdf http://algarvivo.com/arqueo/romano/mosaico-romano.html






Mulsum - vinho misturado com mel.


Municipium - designando inicialmente o indivíduo que possuía determinados direitos ao estabelecer se na cidade de Roma, sob a forma de municipes, entre ele os decivitas sine suffragio e de hospitium publicum.


Gradualmente o conceito foi definindo uma organização territorial particular, o município, com a sua administração própria: senado, comícios e magistrados, sob a alçada de um  praefectus, funcionário estatal.O município romano podia aplicar as suas leis próprias e os seus habitantes tinham direito de servir nas legiões, de casar com cidadãos romanos e de comercializar com os residentes na Urbe

Muriophore -  designava o navio portador de 10 000 ânforas, o que equivalia a 500 toneladas, sendo considerados como os maiores navios aqueles que tinham a capacidade mínima de 50 000 modii, ou seja, 330 toneladas. Estas referências situam-se nos finais da República ou inícios do Império Romano, parecendo evidente que estas referências se situam nos finais da República ou inícios do Império Romano (Pomey, 1997, p. 89). Conhecida é a «referência de Estrabão, no início do século I d.C., à capacidade dos grandes navios de carga da época, os muriagogoi, ao mesmo tempo que descrevia o estuário do Tejo como um espaço de grande capacidade portuária: “Quant au Tage, sa largeur à l’embouchure est d’environ 20 stades et sa profondeur suffisante pour que des navires à 10.000 amphores de fret puissent le remonter” (Geografia, III, 3, 1) (Tradução de Lasserre, 1966, II, p. 51-52)».


in: DINÂMICA LITORAL, NAVEGAÇÃO E MODELOS DE PORTOS (FUNDAMENTOS TEÓRICOS)http://www.igespar.pt/media/uploads/trabalhosdearqueologia/28/2.pdf

.

Musas - As Musas  são deusas das artes e da ciênca, filhas de Zeus e de Mnemosyne. 




Mosaico das Musas, Torre de Palma, Monforte. Museu Nacional de Arqueologia.
Tem a seguinte inscrição, publicada por José d'Encarnação
SCOPA ASPRA TESSELLAM LEDERE NOLI. VTERI FELIX
(“Não estragues o mosaico com uma vassoura demasiado áspera, boa sorte !”)



Ver: Sarcófago das Musas. Séculos III-IV. Museu do Carmo. 

As Musas são nove:

CalíopeCalíope é a musa da poesia épica. 
Calíope (a “bela voz”) é a mãe de Orfeu e Linus com Apolo. Os seus símbolos são um pergaminho, tábua de escrever e estilete. 

Clio - História. Outros nomes Kleio.
 Significado do nome  “Proclamadora” Clio A Musa da História. Com Pierus, rei da Macedônia, ela é a mãe de Jacinto. A ela é atribuída a introdução do alfabeto fenício na Grécia. Seus símbolos usuais são um rolo de pergaminho ou um conjunto de tábuas para a escrita.

Erato - Musa da poesia lírica e amorosa, cujo nome significa “Adorável” ou " a Bela"
Era também a deusa da música, canto e dança. O seu atributo é uma lira.



Lucerna proveniente de Tróia com representação da Musa Erato no disco.
Inventário : 983.461.3, MNA.


Euterpe - Significado do nome : “Delícia”. Euterpe, pela cultura grega, é uma das  nove Musas de Apolo. Seu nome significa “plena alegria” ou “delícia”. Nascida, tal como as oito irmãs de Zeus e de Mnemosyne, a deusa da memória, Euterpe é a Musa da música e da poesia lírica. Ela também é a Musa da alegria e do prazer e do tocar de flauta, e a ela atribui-se a invenção da flauta dupla, que é o seu símbolo. Originalmente as Musas eram as  divindades da primavera, depois foram chamadas de deusas das várias inspirações humanas. As nove Musas cantavam e dançavam, lideradas por Apolo, nas celebrações de deuses e heróis. As Musas induziam a memória dos humanos e inspiravam escritores e artistas.
Melpómene - Tragédia Significado do  nome: “Coro” .
É a Musa da tragédia. É usualmente representada com uma máscara trágica e usando os coturnos (botas tradicionalmente gastas e usadas pelos atores). Algumas vezes ela segura uma faca ou bastão em uma mão, e a máscara na outra.

Polínia - Poesia lírica. Significado do nome: “Muitas canções” Polínia é a Musa grega do hino sagrado, da eloquência e da dança. Ela é representada usualmente numa posição pensativa ou meditativa. Ela é uma mulher de olhar sério, vestindo num longo manto e descansando um ombro num pilar. Algumas vezes tem um dedo na boca. A Musa da poesia lírica (elegia), particularmente a poesia amorosa ou erótica, e da mímica. Ela é representada usualmente com uma lira.
Terpsícore - Dança. Significado do nome:  "a que se deleita na dança"). Era representada sentada com uma lira
Existiam vários tipos de dança praticada em Roma. Saliano: que era uma dança guerreira, praticada mais comumente na Primavera, em honra de Marte (o mês do nascimento da primavera). «Essa dança era um Tripudium, uma dança em três tempos» e a  pírrica (uma dança típica da Grécia Antiga) que embora não muito praticada durante a Monarquia voltou a ser praticada no Período Imperial, se bem que a sociedade romana fosse genericamente avessa a essa forma de expressão. Ao que se sabe, «até o início do século III, restringia-se a formas processionais, ligadas a ritos de guerra e agrícolas. Mais tarde, a influência etrusca e grega se disseminou, mas as pessoas que dançavam eram consideradas suspeitas, efeminadas e mesmo perigosas pela aristocracia romana. Cícero afirmou que a dança era um sinal de insanidade. O culto grego a Dioniso incluía a indução ao êxtase por meio de uma dança convulsiva e catártica. No Império Romano, transformaram-se nas festas orgiásticas de Baco, a princípio só para mulheres e realizadas durante três dias no ano. Embora secretos, tais cultos se disseminaram, passaram a incluir também os homens e chegaram a uma freqüência de cinco por mês. No ano 186 a.C., sob a alegação de obscenidade, foram proibidos e seus praticantes sofreram implacável perseguição, só comparável à movida contra os cristãos. Na verdade, seu caráter de sociedade secreta era ameaçador para o estado. Por volta do ano 150 a.C., foi ordenado também o fechamento de todas as escolas de dança, o que não erradicou a prática: dançarinos e professores eram trazidos, em número cada vez maior, de outros países». in: «Música e Dança». http://trabalhodeartesroma.blogspot.pt/2012/03/musica-e-danca.html Ver também: http://ceciliabazzottihistoriadanca.blogspot.pt/2012/05/danca-no-imperio-romano-e-contexto.html
Urânia - Astronomia. Significado do nome: “Rainha das montanhas” A Musa grega  da astronomia e da astrologia. Ela é representada com um globo na mão esquerda e um prendedor na direita. Urânia veste-se com um manto bordado com estrelas e ela mantém seus olhos fixos no céu. A partir de : Compton’s Encyclopedia Encyclopedia Mythica http://www.lunaeamigos.com.br/mitologia/musas.htm 
Terpsícore. Seu símbolo é a lira. De acordo com algumas tradições, ela é a mãe da sereias com o deus ribeirinho Aquelau.
Tália  - É a Musa da Comédia e da poesia ligeira. Significado do nome: “Festividade”. Os seus símbolos são a máscara cómica e um cajado de pastor. Tália também é o nome de uma das Graças (Cáritas).

Inúmeras são as representações de Musas, quer em elementos arquitectónicos ou objectos escultóricos, quer em objectos de uso doméstico, podendo apenas para exemplificar aqui referir o célebre mosaico das Musas, proveniente da Villa romana de Torre de Palma e o sarcófago das Musas de Cós, que se encontram no Museu Nacional de Arqueologia e ainda citar o exemplo da estátua de Urania, Musa da Astronomia.

Ver o casos da Villa romana da Quinta das Longas, Elvas.

Ver: Musa Erato, representada numa lucerna de Tróia, pertencente ao acervo do Museu de Arqueologia (Nº Inventário 983.461.3), publicada também por  João Almeida (Estampa II), podendo consultar-se: http://lisboa.academia.edu/joaoalmeida/Papers/935311/A_necropole_romana_da_Caldeira_Troia_de_Setubal_Escavacoes_de_Manuel_Heleno_nas_decadas_de_40-60_do_seculo_XX

Musas. Detalhe da base de um lampádario de bronze, decorado com as figuras das musas. Museo Nacional de Arte Romano de Mérida. Fotografia de José Manuel Jerez Linde.

Mão de Urânia segurando o Globo Cósmico.

O globo tem representados os símbolos astrais, sol e lua em faces opostas.

Peça descoberta durante trabalhos arqueológicos na Villa Romana de Quinta das Longas,em 2000. 

Museu Nacional de Arqueologia – Exposição “Religiões da Lusitania. Loquuntur Saxa”. Fotografia de José Manuel Jerez Linde.




O braço do qual partiria esta mão estaria em posição horizontal e terminava no bordo de uma túnica da qual se conserva o remate do tecido da manga. O globo apresenta os símbolos astrais, sol e lua em faces opostas. A posição do globo faz pensar que a figura estaria de pé, segurando o “radius” com a mão direita. Esta mão pertenceria certamente a uma representação da musa Urania, tema frequente nos reportórios iconográficos ibéricos».




                               Mosaico das Musas proveniente da Villa Romana de Torre de Palma, Século IV. MNA



Sobre o célebre mosaico da Villa romana de Torre de Palma, pode consultar o catálogo da exposição «Deuses e heróis da Antiguidade» in http://www.mnarqueologia-ipmuseus.pt/?a=2&x=3&i=33 ou

O Mosaico das Musas,


Janine Lancha
Editora
Museu Nacional de Arqueologia, 2002

Museum - Literalmente quer dizer casa das Musas. Deu origem às palavras Museu e Música. (completar)


Muralha -

MúsicaAo que se sabe, na época republicana era associada a uma sociedade licenciosa, sendo, por isso, objecto de censuras de oradores e moralistas. Contudo foi foi cultivada pelas classes mais populares e nos ambientes militar, religioso, rural e teatral. Era usada também em magias e rituais de cura. Começou a ganhar prestígio generalizado na fase imperial, aparecendo em uma multiplicidade de contextos de lazer e festividade,  e foram surgindo diversas obras de teoria e crítica. A partir desse momento, os músicos e cantores virtuosos foram altamente apreciados e bem pagos, embora no geral o estatuto social dos músicos profissionais fosse muito baixo. Poucos instrumentos antigos ou fragmentos chegaram aos aé aos nossos dias, mas existem imagens relativas a atividades musicais em pinturas, mosaicos, relevos e outros suportes,permitindo conhecer o variado instrumental empregado e de usos específicos em cada actividade. Dada a grande admiração pela cultura grega e similitudes com os instrumentos musicais,pensa-se que a música romana teraia muitas semelhanças com a grega mas pode também deverá ter desenvolvido aspectos originais, embora pouco se saiba sobre este assunto. 

(Texto baseado em: Arte da Roma Antiga. http://www.wikiwand.com/pt/Arte_da_Roma_Antiga)




Mosaico em Zliten, na Líbia, mostrando músicos com vários instrumentos, incluindo um órgão de tubos. Fotografia a partir de: http://www.wikiwand.com/pt/Arte_da_Roma_Antiga


Mutationes ou stationes – Estação de muda nas estradas, ou seja, infraestruturas de apoio para apoio dos viajantes e muda dos cavalos.

Natatio – Tanque de água ria, utilisado como piscina, comum nos balneários e termas. Nas uillae estes tanques serviam também para apoiar as hortas e pomares.

Naumaquia (latim) – representação de batalha naval, sendo o teatro (ou anfiteatro) coberto de água para esse efeito.



Ver : Imagem a partir de: http://www.romanoimpero.com/2010/09/le-naumachie.html


Musaevarius - Trabalhador encarregado da colocação de tesselas coloridas quando se executava os elementos decorativos de um mosaico.

Necropolis - Cidade dos mortos. Cemitérios. Podem ser de icineração ou inumação. http://www.geira.pt/bracara/necropoles.html

Nemora tonsilia (latim) – poda dos arbustos para terem formas caprichosas.
Ninfas - Divindades femininas que povoavam os mares, as águas, os bosques, as árvores, as florestas, as montanhas, os vales férteis, as fontes ou rochas e as grutas. São normalmente representadas como belas mulheres, quase sempre nuas ou semi-nuas. São protectoras da fecundidade.

Nomen - Parte central dos tria nomina romanos. É geralmente o nomem gentilicium (o nome da gens).

Nucleus - camada para assentamento directo de mosaico.

Nutrix - Enfermeira

Silvia Medina Quintana, 2014, Mujeres y economía en la Hispania romana. Oficios, riqueza y promoción social. Ediciones Trabe, S. L.
Ver: http://www.trabe.org/pdf/04_Mujeres%20y%20economia_web.pdf

Oecus - Sala de recepção. Salão.

Olaeothesium - sala das termas onde se usam os óleos ou unguentos.

OinochoeRecipiente com forma de cântaro com uma só asa, usado para beber vinho.



Jarra de bronze tipo oinochoe. MNAR (Mérida).
Fotografia fentilmente cedida por José Manuel Jerez Linde

Oppidum (lat.; plur. Opidda): povoação fortificada, ou qualquer pequena cidade ou lugar fortificado, geralmente situada no alto de uma colina ou de um monte geralmente com uma intensa ocupação da Idade do ferro;  designando-se vulgarmente por castro. Pode ainda usar-se em sentido lado para denominar qualquer pequena cidade central, por oposisão a Urbs - Roma.

Oppida rusticus - eram os antigos povoados indígenas que por se situarem em montanhas ou lugares recônditos, não foram alvo de romanização, certamente por terem pouca relevância económica. Pagavam imposta à cidade stipendiária.

Oppidum stipendiarium – Povoação ou lugar fortificado, que tendo-se tornado romana por direito de guerra, e tendo-se-lhe rendido sem condições, devia pagar tributo: o vectigal ou stipendium.

«The word is derived from the earlier Latin ob-pedum, "enclosed space," possibly from the Proto-Indo-European *pedóm-, "occupied space" or "footprint." examples above
Julius Caesar described the larger Celtic Iron Age settlements he encountered in Gaul as oppida, and the term is now used to describe the large pre-Roman towns that existed all across Western and Central Europe. Many oppida grew from hill forts, although by no means did all of them have significant defensive functions. Oppida surrounded by earthworks are known as enclosed oppida. The main features of the oppida are the architectural construction of the walls and gates, the spacious layout and commanding view of the surrounding area.
The development of oppida was a milestone in the urbanisation of the continent as they were the first large settlements north of the Mediterranean that could genuinely be described as towns. Caesar pointed out that each tribe of Gaul would have several oppida but that they were not all of equal importance, perhaps implying some form of hierarchy.
In conquered lands, the Romans used the infrastructure of the oppida to administer the empire, and many became full Roman towns. This often involved a change of location from the hilltop into the plain».
Citações em inglês e imagem: Noricum, a partir de:
http://mythicmysteriesmiscellany.devhub.com/blog/498691-noricum/


Opus - trabalho, obra


Opus albarium - Revestimento utilizado na época romana, semelhante a estuque, o qual era utilizado como regularizador da superfície antes de esta receber a pintura a fresco.

Opus caementicium – betão usado usualmente no interior de uma construção, misturando um ligante ou argamassa de cal e areia com um inerte feito à base de pedras de pequeno calibre, tijolo, areia, pozolana (material de origem vulcânica), servindo muitas vezes de enchimento. Espécie de cimento romano utilizado desde o século IV a.C. em grandes construções devido às suas características técnicas de resistência tornou mais rápida e económica a construção de estruturas mais complexas como as coberturas abobadadas ou em cúpula e ainda as paredes arredondadas e em ábside.
A utilização deste material obrigou ao uso de vários paramentos (revestimento exterior) que disfarçassem assim o aspecto pouco estético das estruturas. Deste modo, os Romanos socorriam-se de diferentes almofadados em pedra e tijolo e aplicaram revestimentos exteriores com relevos em estuque, placas de mármore polícromo ou ladrilhos cozidos. Por sua vez, nos interiores, o revestimento podia ser feito com pedras mais nobres, mármores, mosaicos e estuques pintados





Torre Oeste da Cidade da Ammaia

Opus craticum - É uma estrutura mista de madeira com outros materiais de pequeno tamanho unido por opus caementicium, ou seja era um aparelho de pedra ou tijolo sobre o que se dispunham as vigas em vertical, horizontal ou diagonal. Os espaços intermédios enchiam-se de pedras unidas com opus caementicium. Esta forma de edificação prolongar-se-á até à Idade Média pela facilidade e economia de construção.

Ver Herculano.


Opus doliare – actividade ligada ao fabrico de telhas e tijolos




Opus Figlinum  - tijolos cortados formando desenhos para adornos de monumentos.

Opus incertum – aparelho construtivo de alvenaria irregular, sem serem desbastadas, ou apenas afeiçoada na face à mostra.





Ponte das Ruínas de Miróbriga, construída em Opus Incertum.




Tipos de Opus, Imagem a partir do Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa.

http://mdds.culturanorte.pt/pt-PT/RecursosEdu/Informa/ContentDetail.aspx?id=971

Opus latericium – aparelho construtivo com tijolos secos ao sol. 

Opus mixtum - aparelho executado com alternância de opus reticulatum ou incertum com opus testaceum


Construções das Ruínas de Tróia.

Opus Musivarium - nome do mosaico composto por tesselas aplicadas sobre uma superfície preparada segundo um desenho geométrico ou figurativo. 

Opus quadratum - (ver quadrati lapides) – aparelho construtivo de alvenaria de pedra talhada ou silhares regulares, paralelepipédicos (aparelho isódomo), com o lado menor quadrado, ou seja, com os silhares em formas de amarração.






Opus quadratum no embasamento do Tempo de Évora
Ver: Garcia Bellido, Arte Romano, pp: 47-49, entre outros abaixo citados.









Muralha tardia de Évora, Rua de Burgos

Opus reticulatum - aparelho de construção regular, formando de pequenas pirâmides de base quadrada. http://users.skynet.be/bk239267/techniek2.htm

Opus sectile – revestimento formado por lages de pedras (crustae) coloridas, unidas de forma a fazer desenhos geométicos ou decorativos.

Opus signinum – argamassa feita de cal hidráulica, areia e tijolo moído, usada para construção de pavimentos e impermeabilização de tanques e paredes. Costuma designar-se por formigão. O nome vem-lhe, ao que referem alguns autores, de Signia (Itália), lugar de fabrico de cerâmicas de construção.




Ver: ancos e pavimento revestidos a Opus Signinum. Balneários de Miróbriga. Santiago do Cacém.

Opus SpicatumPequenos tijolos retangulares destinados a recobrir paredes ou pavimentos, sendo colocados em forma de espiga ou espinha de peixe

Opus tesselatum - pavimento revestido com tesselas ou tesserae em fiadas paralelas e rectilíneas.

Os mosaicos romanos, «opus Musivarium» eram compostos por tesselas - cubos de pedra ou de qualquer outro material - aplicadas sobre uma superfície preparada, segundo um desenho geométrico ou figurativo assentes sobre o pavimento.

O «opus tessellatum» desenvolve-se desde o Século IV a.C. É um mosaico formado por pequenas pedras talhadas (tesserae) que cujo tamanho varia entre os 0.5 e 2 cms, mas também de terracota ou de pasta vítrea, chegando a ter, nos casos mais luxuosos, algumas «tesserae» uma capa de ouro.
O «opus tessellatum» é a técnica musivaria mais habitual.
Há quem defenda que na sua origem esteja o «opus sectile» conhecido na antiguidade como «opus sectile mormoreum» feito com placas recortadas que se denominam «crustae». Originária do Oriente, foi introduzida em Roma que também manteve essa técnica até época tardia.
As cores das tesselas dos mosaicos dependem da matéria-prima seleccionada, sendo mais frequentes a pedra e o vidro, ou mais invulgares, os metais. Algumas eram mesmo folheadas a ouro.
O seu tamanho pode ajudar a definir cronologias, bem como os temas elaborados.
Os seus motivos podem ser geométricos muito variados, vegetalistas e figurativos, a preto e branco, ou polícromos.


Opus testaceum ou latericium  –  Assim se designam, indistintamente, as edificações feitas com tijolos. O opus latericium utiliza exclusivamente adobes, enquanto o testaceum possui um núcleo interior de opus caementicium e os tijolos fabricaram-se com medidas concretas e são cozidos em fornos. 
O nome que os romanos empregavam para designar o material cozido em fornos era o de tegulae, enquanto o adobe se denomina later
O Opus Tasteceum é, portanto, um ladrilho ou aparelho construtivo utilizando cerâmica cozida. Vulgarizou-se a partir do imperador Tibério, ao ponto de se ter tornado quase o sistema de edificação oficial.


Ver: Imagem a partir de:
http://www.jbdesign.it/idesignpro/concrete.html





Ver: Tijolo que revestia o pavimento. Balneários de Miróbriga, Santiago do Cacém.

De acordo com as suas dimensões que foram normalizadas no Século I, podem designar-se: Bessales – 2/3 pés, 19,7 cm Sesquipedales – 1 pé 1/2 44,4 cm Bipedales – 2 pés 59, 2 cm Ver G. Bellido pp:50-51. Pierre Adams, pp: 158-159.


Opus vermiculatum O «Opus vermiculatum» era um tipo de mosaico fabricado com pequenas tesselas, de tamanho inferior a 5-6mm, sendo colocadas em fiadas paralelas sinuosas, como anéis ou vermes.Trata-se de mosaicos de luxo e por isso não são muito abundantes. Geralmente formam quadros de pequenas dimensões de grande riqueza cromática.
Um dos exemplares mais conhecidos de mosaico em «opus vermiculatum» é o de Alexandre Magno e de Dario, na Batalha de Iso, actualmente exposto no Museu Arqueológico de Nápoles.

Opus Vittatum - tipo de aparelho com pedras colocadas na horizontal, vulgarizado a partir do Século II, podendo ter fiadas de tijoleiras.

Orchestra – Parte central e semicircular do teatro romano, entre o palco e as bancadas, destinada aos assentos dos magistrados e outras individualidades de prestígio. Situava-se defronte à cena, entre a cavea e o proscenium.

Ordem equestre - grupo social ligado ao comércio.

Ordo decurionum (ordem dos decuriões). A ordem decurional categorizava os indivíduos que podiam exercer funções governativas, de tal maneira que à Assembleia ou senado municipal de notáveis: magistrados, sacerdotes e juizes se chamava Ordo decurionum. O Senado era portanto o órgão supremo de governo dos municípios. O facto da inscrição na ara dedicada ao deus Esculápio, aparecida em Miróbriga, fazer referência à splendidissimus ordo implica, portanto, a existência duma organização de tipo municipal neste Sítio.

Origo - origem, local de naturalidade.

Osculum pacis  -  forma de saudação usada por Jesus Cristo e seus discípulos, pela acção de beijar a face mutuamente. Era hábito em muitas regiões mediteraânicas e também entre os cristãos de Roma.

Ver Fotografia: Museu do Louvre, Paris Departamento de cultura Grega, Etrusca e Romana - piso 1, sala 37, exibição 9.

Ordinator - Artífice que traçava as linhas de orientação para o gravador de um texto.
Orthostata - Largo campo de parede acima do rodapé alto.

Ostiarius - Porteiro


Óvulos - Motivo decorativo muito utilizado em elementos decorativos romanos.
Os ovos, (ou óvulos) representam a fecundidade ou a força genésica primordial, portanto, a própria ideia da vida, da eternidade ou da ressurreição, acabam por pertencer a um dos mais comuns motivos decorativos quer de bens de utilidade doméstica quer de elementos arquitectónicos: frisos; capitéis. Relembro ainda que segundo a mitologia Clássica considera-se que o Universo surgiu a partir de um ovo Cósmico semelhante ao de um pássaro, mas muitos outros povos, como os chineses, os indus, finlandeses, japoneses, índios americanos, povos africanos,têm a sua cosmogonia derivada do ovo, a que se associa a ideia de fertilidade, nascimento e ressurreição, como se pode confirmar nos tradicionais ovos de Páscoa. Por sua vez as aves e pássaros são considerados mensageiros dos deuses ou símbolo de verdades ocultas só ao alcance dos inciados, motivo pelo que o deus dos viajantes, Mercúrio, na mitologia romana,(associado ao deus Grego Hermes)tem um capacete e pés alados. Esta divindade era mensageiro de Júpiter e deus da venda, lucro e comércio, pelo que é notória a associação do seu nome à palavra Mercadoria ("merx"), mas também dos ladrões. É também a personificação da eloquência e da inteligência. O planeta Mercúrio deve-lhe o nome muito possivelmente porque se move como a divindade rapidamente no céu. Também entre os Gregos, da Noite, esfera imensa e oca, separam-se, como o desabrochar de um ovo, duas metades: O Céu e a Terra (Urano e Geia), de cuja união nascem os Titãs. Também o mito do Andrógino, ou signo de totalidade inicial, é muitas vezes concebido como ovo cósmico, representa a plenitude da unidade fundamental e primordial onde se confundem os opostos, círculo que contém o princípio e o fim.





Na fotografia: Cornija com elementos decorativos em estuque e representação de óvulos. Museu Monográfico de Conimbriga. Fotografia de José Manuel Jérez Linde.



Paenulas - túnicas generalmente fabricadas em lã, que eram desprovidas de mangas incialmente, mas foram-se modificando e acabaram por tê-las. Era a veste mais utilizada pelos legionários romanos.

Paganus - camponês; “civil”; pagão Ver: O Homem Romano: 91.


Palla - Pano de cena. Peça de roupa que as mulheres romanas vestiam. Era uma espécie de manto comprido usado por cima da túnica e/ou da stolla.

Parapegmata - calendários gravados na pedra.


«¿Sabias que... en Roma ya se elaboraron instrumentos para predecir acontecimientos astronómicos? Usaban calendarios llamados parapegmata, grabados en piedra o dibujados sobre las paredes, Como en las Termas de Trajano ahora desaparecido y que conocemos solo por un dibujo. Realizaban predicciones astronómicas, astrológicas o meteorológicas. Unos orificios al lado del texto que marcaba el evento celeste, servían para introducir un puntero que debía cambiarse cada día. Indicaban los días de la semana, el calendario lunar, el desplazamiento del sol por signos zodiacales, solsticios, equinocios, el día de mercado (nundial), etc. Son de origen helenístico, y los primeros se datan en el S.III a.C. Este uso es el que se cree para el llamado Mecanismo de Antikythera».


Foto de Museo Nacional de Arte Romano

Palaestra, -ae – Pequeno pátio ou zona porticada destinada a exercícios, comum nos Balnea. Podia ainda servir de escola. Ver: Marcial, Epigramas, II,8.

Pane – Na sua origem o pão era fabricado pelas mulheres em casa, situação que com o crescimento das cidades e do Império se alterou. Segundo Plínio, o Velho, isto ter-se-á dado a partir da conquista da Macedónia, em 168 a.C. Ao que se sabe, foi com os Gregos que os Romanos aprenderam a fabricar pão e, durante o Império, os padeiros eram geralmente Gregos. Consta que, em 100 a.C. haveria em Roma cerca de 258 padeiros, tendo a técnica sido difundida por todo o Império. O pão mais comum era um pão redondo, feito de Emmer, um cereal da família do trigo.

Ver: fig. 1 e 2 - Desenhos ilustrativos do fabrico e venda de pão na Roma Antiga, a partir de:


http://pinto2003.no.sapo.pt/hproma/hp_roma.htm






«Com o tempo, melhoraram o processo de moagem, e como resultado disso foram os primeiros a produzir pão branco. Anteriormente, faziam-se pães escuros, de grãos integrais. Por volta de 100 a.C. Roma possuía mais de 200 padarias comerciais. Uma escola para padeiros foi criada pelos romanos no século I.


A grande expansão do pão em Roma causou o nascimento da primeira associação oficial de panificadores. Os seus membros gozavam de um estatuto muito privilegiado. Eles eram livres de alguns deveres sociais e isentos de muitos impostos. A panificação tornou-se tão prestigiada durante o Império Romano, que era considerada ao nível de outras artes, como escultura, arquitectura ou literatura».


A partir de: http://pinto2003.no.sapo.pt/hproma/hp_roma.htm

Panis quadratus - Pese o nome, este pão não é quadrado, mas circular.  O nome deve-se às barras no topo do pão que a divide em quartos. Segundo:  http://webzoom.freewebs.com/earlyperiod/PANIS%20ROMANVM.pdf Panis mustaceus - Pão-comumente cozido em um anel com uma coroa de louros no topo. Cato dá-nos uma lista de ingredientes: 660g. gordura, 330g. queijo fresco, 8,7 litros Farinha, anis, cominho. (Cat. RR CXXI). Este pão era comumente consumidos no casamento e festas, daí as quantidades maiores de ingredientes. Panis farreus - pão feito de farinha de espelta grossa para ser quebrado e partilhado por uma noiva e noivo na noite de núpcias. Panis adipatus - Uma espécie de pizza ou  pão achatado, que continha uma boa quantidade de bacon e gordura de bacon. Panis militaris - pão usado pelos soldados. É comumente veio em duas variedades. Casternsis: Pão acampamento Mundus: Pão de marcha Ambos foram um tipo de biscoito seco duro que teve que ser embebidos antes de comer. (N.H. Pliny. XVIII-68) Panis nauticus - Muito parecido com pão soldado. Conhecido como biscoitos navio. (XXII-Pliny. N.H. 138) Panis Picentino- Outro tipo de pão duro que exigia a imersão, geralmente no leite ou mulsum * antes de se comer. Picentino era um pão de luxo feito de alica,  encharcado  nove dias e depois amassado com uvae passae suco (o sumo doce de uvas secas ou sumo de uva). Era moldado com um rolo de comprimento, colocada num vaso de argila e cozido no forno até a ruptura do pote. (Pliny.N.H. XVIII-106) Panis quadrado-Apesar do nome este pão não é quadrado, mas circular. Ela deve seu nome às barras no topo do pão. Panis boletos - Pão que aparents a forma de um cogumelo. Era  coberto com sementes de papoula e colocadas em um molde de vidro. As sementes de papoula garantiu que o pão não grudar. Ele era da cor do queijo defumado. Panis alexandrinus - pão popular, frequentemente mencionada em receitas e textos. Continha Cominho egípcio e foi importado de Alexandria, daí o nome. Panis cappadocianus - Um pão estilo 'turco' que foi produzido com massa de farinha e leite. A isto foi adicionada uma grande quantidade de sal. Ele foi cozido em forno muito quente durante um curto período de tempo e tinha uma crosta suave. Panis secundarius-Um tipo comum de pão branco. Durante a República, comer pão branco era considerado muito luxo e um empreendimento caro. No momento em que o Império estava no seu auge, o pão branco era considerado comum e, portanto, conhecida como uma segunda escolha ou secundus. Com o imperador Augusto, veio a popularidade de pão integral ou produtos menos refinados, receitas, assim, a reintrodução de que há muito tinham sido esquecidos; pães mais pesados foram de novo usados. Pane sordidus (latim) – pão de má qualidade. Orindes - pão, feito de farinha de arroz Cybus Cube-pão feito com anis, queijo de ovelha fresco e azeite. Mazas- biscoitos de cevada Cribana - Pão-feito com queijo coalho. Tinha uma forma a assemelhar-se peito de uma mulher.





Pão carbonizado. Pompeia.


Sobre a expressão «Pão e Circo» de Juvenal, veja-se: http://www.google.pt/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=4&ved=0CE4QFjAD&url=http%3A%2F%2Fwww.brapci.ufpr.br%2Fdownload.php%3Fdd0%3D10954&ei=M5WzUJjZKsmWhQe8qoH4Cg&usg=AFQjCNGOCkpty3SMVledNq_QHWfuj4nF3A&sig2=aDpz9S6f-hMkaPhANl9dKw Sabia-se que, em Roma, eram usados selos para marcar o pão. http://derecoquinaria-sagunt.blogspot.com.es/2013/01/signa-pistorum-sellos-de-panadero.htm




Fresco com representação de venda de pão. Pompeia.


Em Roma havia selos de padeiro, uma marca comercial que identificava o produtor.

Para melhor saber, poderá consultar:

http://derecoquinaria-sagunt.blogspot.pt/2013/01/signa-pistorum-sellos-de-panadero.html



Parentalia - festivais realizados em Fevereiro, atribuídos quando eram cultuados os pais e outros parentes das famílias (Ovídio. Fastos II, 533-570). A sua realização neste mês estava condizente com a própria etimologia do mês de Fevereiro: do verbo latino "februare", que significa expiar ou purificar (Ovídio. Fastos II, 19-46).

Parmula - escudo pequeno e rectangular usado comummente pelos Trácios.






Lucerna com representação de um gladiador trácio (?). Museu de Bonn


Passum - É um vinho de passas ((Vinho de Uva-Passa), muito doce, supostamente originário de Cartago, e foi usado pelos Romanos como molho adoçante nos seus alimentos.
O autor grego Políbio referia-se-lhe do seguinte modo: "entre os romanos as mulheres estão proibidas de beber vinho, e podem beber o que é chamado passum ". (Políbio, Histórias , Fragmentos, 4.6.2)
ver ainda Columella, De Agricultura , 12.39


Pater familias - o Pater familias exercia poder sobre os filhos, os escravos, a mulher e os bens da família, ou seja exercia a Res Familiaris. Ver: Gèza Alfödy, A História Social em Roma, p: 24. O pater familias era ainda o responsável pela manutenção dos ritos tradicionais da sua família: a veneração dos Lares e dos Penates e outros sacra herdados dos seus antepassados e destinados a serem transmitidos aos  descendentes (os sacra familiae).
Ver Catão (Da Agricultura 24-6).

Pattela -

Pátera – recipiente fundo de forma redonda podendo ter com cabo horizontal liso ou decorado. No MNA, Sala de Ourivesaria, podem ver-se vários exemplares em prata.

Patria Potestas - autoridade absoluta do pai sobre os filhos; do marido sobre a mulher colocada in manu. (Ver artigo sobre a Mulher em Roma neste mesmo blogue).

Pax Deorum - (paz com os deuses).  Para os Romanos era através do zelo da observância de rituais em que a religião assentava que se viabilizava  a manutenção da pax deorum. Não cumprir as obrigações religiosas para com os deuses abalava a sociedade, pois desequilibrava a ordem do mundo ao provocar a cólera divina.
Não cumprir as obrigações religiosas para com os deuses abalava a sociedade, pois desequilibrava a ordem do mundo ao provocar a cólera divina. No Mundo Romano não se podia fazer a distinção entre o laico e o religioso; a religião era omnipresente: abrangia tanto a vida privada quanto a pública.


Pax Romana - expressão que se refere à estabilidade política e económica e à tranquilidade social que o Império romano trouxe às populações.

Pecunia publica - dinheiro público obtido das cobranças de impostos e dos rendimentos do ager publicus.

Pedes - Pé romano.  Media 29,63cm.

Pediluvium - Pequeno tanque que se destinava nos balneários a lavar os pés antes da entrada para a piscina.

Pedum - cajado. 



Patroni e  clientes- patrono e cliente. «A amicitia fazia depender de um homem rico, abastado (o patronus), um número maior ou menor de homens menos abastados ou mesmo pobres (os clientes). O poder e a influência do patronus mediam-se pelo número de clientes que o seguiam. Qual o interesse neste elo? Ambas as partes retiravam dele proveito: o patrono podia sempre contar com o apoio dos seus clientes nas eleições, ou em qualquer outra circunstância em que fosse útil a manifestação de apoio, como no decurso de processos em tribunal; o cliens, por seu lado, contava com o apoio material (a sportula diária, que lhe permitia pelo menos sobreviver) e,também, jurídico, no caso de se ver envolvido em processo judicial» in Lucinda Maria da Silva Cavaco .JUVENAL, SATVRAE. Tipos e Vícios.

Penates - Deuses protectores das provisões domésticas e da casa


Penus - Despensa


Pensum – peso para tear de lã.

Peregrinus - Estrangeiro (em sentido lato). Designa um não-romano e ainda uma cidade submetida a Roma.


Perystilum (peri à volta, stilum coluna) - espaço central da residência senhorial, em torno do qual se distribuíam as divisões da casa. Era parcialmente coberto por um telhado sobre os corredores, suportado à volta por um pórtico de colunas, deixando que as águas convergissem para o interior. Permitia que o ar e a luz penetrasse pelo espaço central, a céu aberto, o compluvium. No chão que normalmente era ajardinado as águas eram recolhidas para um poço fundo, o impluvium.


Peristylium – Espaço central da residência senhorial. 
O peristilo era um pátio ou jardim de colunas formado por um pórtico para o qual davam as habitações da casa. Era composto por um átrio (atrium) rodeado por colunas e fornecia luz e arejamento à casa e o tanque que recebia as águas da chuva provenientes do telhado tornava a casa mais fresca. Era em torno deste que, normalmente, se desenvolviam as diversas salas da casa, quartos, escritório, sala de jantar, biblioteca, etc. Este pátio com colunas com um jardim podia ter também estátuas de de deuses e heróis, repuxos , pequenos lagos com peixes, flores e arbustos. A ele se acedia através de um estreito corredor (fauces) ou pelo Tablinum.

Pes - dimensão de  utilizada na construção das paredes = 0,296m. Por sua vez o Passus mede 147,9 cm.

Pesca - Estrabão refere que o rio Tejo era rico em peixe e ostras  (3, 3, 1) ver bibliografia referida em Garum

Pilum – arma de arremesso usada pela infantaria (dardo ligeiro da cavalaria).

Piscina,-ae - Piscina Ver Marcial, Epigramas, VI,81.

Piscis salsus -peixe salgado.


Pistrinum, (pl. pistrinae). - Padaria, moinho. Na Roma Antiga produzia-se uma extensa variedade de pães. Fabricar o pão era de início uma tarefa feminina, até que a partir do século III a.C. surgem os padeiros (pistores) que vendem o pão nas padarias (pistrinae).

Pistorespadeiros que vendem o pão nas padarias (pistrinae).


Planta Urbis -  a representação monumental, gravada em pedra, da planta da cidade de Roma, mandada fazer nos inícios do século III pelo Imperador Septímio Severo.






Forma Urbis Romae realizada no tempo do imperador Septimio Severo entre  203 al 209 d.C.

Fotografia a partir de:  http://mrdomingo.com/2012/07/23/forma-urbis-romae-el-google-maps-de-antigua-roma/


Pietas - o sentimento de obrigação/devoção/lealdade para com aqueles que o homem está ligado por natureza (pais, filhos, parentes). Por conseguinte, ligava entre si os membros da comunidade familiar, unidos sob a égide do patria potestas.

Pilastra




Pilastra decorada com grinalda vegetal. MNAR (Mérida)


Pinacotheca (latim) – salão de pintura. Ver Vitrúvio.


Pittaciarium - taxa paga por um arrendatário de uma concessão mineira no momento da sua adjudicação (pittacium - etiqueta).

Plebs – plebe ver: vulgus; turba; multitudo; pauperes in Homem Romano, p. 23o e Géza Alfödy, H. Social de Roma, p: 25 Ver também «Homem Romano».


Plumbeae - projéteis de funda em chumbo. O lançamento das glandes plumbeae permite atingir longas distâncias e esta acção era efetuada em momento anterior à luta corpo a corpo. Os fundibulários eram especializados naquela arma, que exigia muito tempo de treino, sendo por isso que as tropas romanas recorreram a auxiliares.

https://www.academia.edu/24407869/Cole%C3%A7%C3%A3o_de_metais_do_s%C3%ADtio_arqueol%C3%B3gico_dos_Ch%C3%B5es_de_Alpomp%C3%A9

Pocula amatoria - filtros amorosos usados pelas saga, ou feiticeiras

Pomerium -

Pompa triunphalis - Cortejo que celebrava o triunfo concedido a generais vitoriosos. Também se designa assim o cortejo no culto de Dionísio.

Pondus - peso 

Ver: Cerâmicas romanas do lado ocidental do castelo de Alcácer do Sal, 5: almofarizes de produção bética, pesos e cossoiros EURICO de SEPÚLVEDA1 PATRÍCIA A. SANTOS2 JOÃO CARLOS FARIA † MARISOL FERREIRA3
http://www.igespar.pt/media/uploads/revistaportuguesadearqueologia/10_2/10-11-12-13-14/11-p.255-284.pdf Podium - Base contínua de uma construção, geralmente elevada, onde assentam as colunas de um edifício, designamente de um templo. O mesmo podium podia ter vários templos.

Pontes -



Chaves - Ponte Romana. Fotografia de Raul Losada


(lat.) – ver Arco e flecha) – A ponte é para os Romanos um grande indicador de civilização, pois é ele que permite vencer a natureza e assegurar que a rede viária do império é, de facto, uma realidade. Ou seja, é um grande elemento romanizador. Sejam construídas de madeira ou de pedra, ou apenas pontes flutuantes com barcos ancorados às duas margens, elas garantem também a passagem dos exércitos, sendo, por vezes destruídas algumas edificadas só para esse efeito, a exemplo do que se sabe que aconteceu com a que foi construída por César para atravessar o Reno (César, A Guerra das Gálias, Livro I, Capítulo XIII; Lisboa, Edição Estampa, 1989). A partir de Augusto, a exemplo com o que se passa com a monumentalização das cidades, as pontes passam também a ter um caracter monumental, e a partir da Pax Romana, a ponte perde o seu carácter fortemente estratégico e militar, para assumir um aspecto mais civil ou mesmo honorífico, sendo comum ornamentá-las até com Arcos de Triunfo. Por sua vez, porque agora encarada como “obra de arte”, a sua concepção passa a ser garantida por arquitectos, sendo os engenheiros relegados para segundo plano.





Ponte Romana - Lugar de Torneiros.. - Vila Real. Fotografia de António Mendes.


Ponte romana de Monforte. Fotografia de José Carlos Carvalho



Ponte de Mérida


Segundo alguns autores, o Pontifex romano era o “construtor da ponte”, ou seja, o que une dois mundos separados, uma espécie de ligação entre o Céu e a Terra. Talvez por isso mesmo o Pontificado, título que era reservado ao imperador romano, Pontifex, hoje Papa, significa exactamente construtor de pontes”, ou seja mediador entre esses dois mundos, e tenha como símbolo o arco-íris, essa “passagem” que Zeus lançou entre os dois mundos – o terrestre e o celeste – e que Ísis, a sua mensageira da boa nova percorre. Ver: Pontes Romanas de Portugal, (Direcção de Paulo Mendes Pinto), Associação Juventude e Património. Garcia Bellido, Arte Romano CVRIA ORDINIS, Jean Ch. Balty, Académie Royale de Belgique. 1991.


Pierre Adams, La Construction Romaine  
Ver: Dissertação de Mestrado de João Carriço, "A Ponte Romana de Vila Formosa: História e Estética". 2002.
http://dited.bn.pt/30499/1488/1914.pdf
Ponte de Miróbriga. Fotografia Filomena Barata. 2011 http://www.portugalromano.com/2011/11/as-pontes-antigas-no-alentejo/ (ver Apuleio in opus cit. p:81).



Ponte romana de Monforte. Fotografia de José Carlos Carvalho

Pontes tumultuarii e longi - pontes flutuantes e de estacaria sobre grandes extensões de terrenos alagadiços. (Ver Plínio). 

Pontifices - Formavam um dos mais importantes colégios de sacerdotes de Roma, dirigindo o essencial dos cultos cívicos da cidade. Também eram responsáveis pela construção das pontes, ou seja, eram “fazedores de pontes”, pontem+facere .

Pontifex Maximus era o sumo sacerdote romano.  Não era como um Magistrado e servia toda a vida. Tal como o título sugere, o Pontifex Maximus  era "o maior" ou presidente do colégio dos pontifices , 'padres'.  Eles eram os responsáveis máximos pelo culto no Mundo  Romano. A sua principal tarefa era manter a pax deorum , a "paz com os deuses". Para obter este objectivo, eles aconselhavam os magistrados, interpretavam os presságios, controlavam o calendário e supervisionavam os funerais. http://www.livius.org/pn-po/pontifex/maximus.html 


Popularia (latim) – lugares destinados ao povo nos locais de espectáculo romanos.

Populus - conjunto de população distinta pelo seu local de habitação, pelas suas características étnicas ou pela formação política a que pertencem, que os romanos entendem como um povo distinto (cti. Virgílio Hipólito Correia).

Porticus - Átrio cuja abóbada é sustentada por colunas ou pilares. Galeria aberta situada à frente de um edifício e suportada por pilares ou colunas.


Posticum - Porta traseira da casa


Posca, uma combinacão de vinho acre ou vinagre com mel, cozinhada e posta a esfriar antes de beber, muito apreciada pelos soldados e classes mais baixas.  

Pregos-




Ver fotografia: Pregos de bronze provenientes da villa romana da Abicada. Museu Regional de Lagos.





Possessores – proprietários ou pessoas detentoras de terrenos

Praefecturapodia significar a administração de uma quinta (praefectura villae), o cargo de censor (praefectura morum), o comando da cavalaria (praefectura equitum), ou, até mesmo, a prefeitura de Roma. Chegou mesmo a constituir cada uma das quatro grandes divisões administrativas do Império Romano, estabelecidas por Constantino (da Itália, das Gálias, do Oriente, da Ilíria). Præfectus prætorio era o título oficial do funcionário da ordem equestre.

Praefurnium,-i – Fornalha dos balneários romanos. Sala destinada ao aquecimento da água, composta por um forno e duas caldeiras (ver Balnae)

Praesidium - quartel de guarnição.

Prefeito – tinha por missão, durante o Império, assegurar a tranquilidade de Roma, num raio de 100 milhas. Estava à frente das coortes urbanas e tinha jurisdição criminal sobre Roma e a sua região.


Praefectus annonae -  Durante a maior parte do Período republicano, o fornecimento de cereais (cura annonae) era garantido pelo edil. Praefectus annonae  foi o cargo criado por Augusto entre os anos de 8 e 14, tendo como missão zelar pelo abastecimento da plebe e do exército e que estava encarregado de cuidar do aprovisionamento de trigo da capital. Dispunha de jurisdição de penas contra quem adulterava os comestíveis. Vigiava também os mercados.

Praenomen - Primeiro elemento do nome romano. Surge geralmente abreviado (ou assim aparece nas inscrições) e é quase invariável de geração em geração, dentro de uma determinada descendência.

Praepositus - Chefe militar, comandante Praepositus vexillationis - o oficial que comandava uma vexillatio.

Pretor  - Magistrado romano, responsável pela administração da justiça. Em 242, um segundo pretor foi introduzido, o pretor peregrinus , que era responsável pela Itália. O primeiro pretor, o pretor urbanus , permaneceu em Roma. O seu número foi aumentando com o crescimento do Império. Os magistrados eram escolhidos pela Comitia centuriata , uma assembleia do povo em que os mais ricos romanos eram a maioria. 

Ver: http://www.livius.org/pp-pr/praetor/praetor.html
Inicialmente, designava, segundo Varrão, o que vai à frente, ou seja, o chefe das organizações, motivo porque quer os cônsules, sucessores dos reis na organização romana, como detentores do poder supremo, chamavam-se, inicialmente, de pretores, como sinónimo de chefes militares. Posteriormente, substituiu-se a designação de pretores pela de cônsules (ou collegae, colegas, porquanto atuavam sempre em duplas), dado que a sua função essencial consistisse em consultar,consulere, o povo e o senado.


«Após a criação da questura (cerca de 450 a. C.) e da censura [
Os questores judicavam nos casos de homicídio (questores parricidium); depois, passaram a gerir o erário público (questores aerari). Havia-os em Roma e nas províncias. Os censores efetuavam o censo da população romana e registravam os bens das famílias romanas. Como penalidade por informações falsas que recebessem, poderiam excluir o desinformador do exército, das tribos, do senado e escravizá-lo. Modernamente, a censura adquiriu significado de análise de informações e da sua supressão, total ou parcial, como da liberdade de expressão, ou seja, não há identidade entre a censura antiga e a moderna.] (em 443 a. C.), o substantivo praetor ainda apresentava conotação genérica, como apelativo dos magistrados quaisquer. Assim, chamava-se, indiferentemente, de pretor, ao cônsul, ao questor e ao censor. Em 367 a. C., as leis Liciniae Sextiae criaram magistraturas novas, intituladas, especificamente, de pretura e de edilidade curul, ocasião em que pretor perdeu natureza de apelativo genérico e passou a designar o funcionário encarregado de administrar a justiça correntemente, na fasein iure dos processos civis. A tramitação dos processos dividia-se em duas partes: a in iure e aapude iudicem ou in judicio, a primeira perante o pretor; a segunda, perante o juiz, um particular escolhido pelas partes. Na primeira fase, havia ius dicere, dizer o direito, jurisdição, no sentido etimológico; na segunda etapa, havia ius dicare, aplicação do direito, judicatura, no sentido etimológico. O autor da ação convocava o réu a, com ele, apresentar-se ao pretor; tal convocação chamava-se de in ius vocatio [Equivalente à atual citação que, todavia, ocorre por ordem do juiz e não antes da sua intervenção no processo.]; se o réu resistisse, o autor poderia capturá-lo e conduzí-lo à força.Diante do pretor, as partes expunham as suas razões e deliberavam a escolha do juiz, segundo um dentre três ritos, per sacramentum, per judicis postulationem ou per condictionem.

O rito per sacramentum era mais antigo e aplicável às ações como regime processual geral, excetuado apenas nos casos a que a lei obrigasse aos outros ritos. O seu nome resultou de uma aposta financeira que formulavam as partes, chamada de sacramentum, cujo montante, estipulado pela lei das doze tábuas e confiado à guarda dos sacerdotes, perdia o derrotado na ação e era empregado, por estes, em sacrifícios públicos. Originariamente, o sacramento teria consistido em juramento de que se exprimia a verdade e a aposta corresponderia à forma de impor uma pena ao perdedor.

O pretor limitava o seu exame a identificar qual das partes tivera razão em arriscar-se a perder a quantia; ele analisava o mérito da aposta e não o da ação, que decidia indiretamente, porquanto ao atribuir razão a um dos apostadores, conferia-a na própria ação.

Juntamente com a aposta, havia outras formalidades, conforme se tratasse de ação in rem ou in personam.Do segundo caso, escasseiam as informações (é ilegível o manuscrito de Gaio, fonte principal a respeito), ao passo que, do primeiro, existe documentação farta e útil, segundo a qual o rito desenvolvia-se em etapas:

a) as partes simulavam embate à mão armada, manum consertio, pela posse da coisa que constituía o objeto da ação, mercê da empunhadura de uma vareta, festuca ou vindicta, símbolo da hasta, lança, por sua vez, símbolo da propriedade quiritária (dos cidadãos romanos). A seguir, ambos apunham as mãos na vareta e afirmavam, por palavras solenes, a sua pretensão: era a rei vindicatio e a contra vindicatio, rito que persistiu na lei sálica, dos germânicos. Tal simulação representava vestígio dos tempos em que se obtinha a propriedade pela força e se a defendia por igual modo».

in: Os editos em Roma: traços e julgamento. Arthur Virmond de Lacerda Neto.Outubro 17, 2012 //

https://direitoromanolacerda.wordpress.com/2012/10/17/os-editos-em-roma-tracos-e-julgamento/
Ver: Ana Vázquez Hoys, Un campamento romano y sus partes.

Praetorium -  tenda do General num acampamento romano.
Ver: Ana Vázquez Hoys, Un campamento romano y sus partes.
http://www.bloganavazquez.com/2011/11/10/un-campamento-romano/



Princeps - O Imperador. O que ocupa o primeiro lugar. 

O significado literal é  "o que ocupa o primeiro lugar", de primus (primero) y ceps, que deriva da raíz capere  (tomar, apoderar-se). A palabra traduzida como “Primer Ciudadano” era um título oficial para o Imperador, determinante da liderança de Roma, nos inícios do Império. Derivava de Princeps Senatus (isto é, primus inter pares do Senado), quem  tinha a precedência no Senado Romano. Foi atribuído como título especial a  Octávio Augusto (Caesar Augustus) em 28 a.C. como reconhecimento do seu poder e prestígio político.
Este título não se intitulionalizou  para ser transmissível aos sucessores, ao contráripo de outros títulos, como Imperator, Caesar, Augustus, Pater Patriae, o Tribunicio Potestate e mais tarde Dominus (Senhor) e Basileus (a palabra grega para Soberano).

O período em que governavam os imperadores , chamaram-lhe Princeps – desde Augusto a Diocleciano-  é demonimado como “Principado”, enquanto sob Diocleciano começou o   “Dominado”, em que a titulação imperial começava com as palavras Dominus noster, “Nosso senhor”.

Na administração romana reconhece-se como Princeps officii aos chefes dos officium .
Princeps também foi utilizado como título para cargos militares, como os Decurio  princeps (oficial de cavalaria das unidades montadas auxiliares do exército romano), Princeps peregrinorum ("comandante dos estrangeiros"): centurião encarregue  das tropas "castra peregrina" (não-itálicas), Princeps praetorii (centurião comandante de uma base militar ou forte), Princeps ordinarius vexillationis (centurião responsável pelo comando de um vexillatio), Princeps prior (centurião comandante de um manipulus ou unidade de duas centúrias) e Princeps posterior (sob o Princeps prior).
Princeps senatus
Embora fora do cursus honorum (as magistraturas romanas) e sem possuir imperium (isto é, sem autoridade para exercer poder militar, este cargo trazia enorme prestígio ao senador que o usava.
Adaptado de: http://nobleyreal.blogspot.pt/2012/07/princeps-el-origen-del-nombre.html

Pistrinumforno de padaria  


Procurator - Procurador


Pronaos - Espaço sob o pórtico fronta de um templo.

Proscaenium – Estrutura do teatro romano correspondente ao cenário. Era a parte posterior da scaena, tratando-se de uma estrutura de grandes dimensões que delimitava o espaço cénico da restante área. A zona compreendida entre a fachada cénica e esta estrutura era muitas vezes aproveitada para os  camarins dos actores.




Prumo - instrumento utilizado na construção para definir a vertical.



Prumo proveniente de Miróbriga, Santiago do Cacém


Ver Prumo. Teatro romano de Lisboa.


e do Museu Monográfico de Conimbriga - Colecções.



Pullmentum - uma papa que se obtinha com a mistura de farinha de trigo e água e que mais diluída funcionava como refresco. 

Pulpitum – Parte da frente da scaena, ou seja, mais próxima da orchestra, a zona do teatro clássico onde se desenrolava a representação teatral. Era o lugar destinado aos actores, localizado a seguir ao proscaenium.


Púnico: derivado de Phoenix ou Fenícia/Fenício; diz-se do que se relaciona com a civilização púnica; do período púnico, compreendido entre os séculos VI a IV a.c. em que as colónias fenícias do Ocidente mediterrânico, tendo como centro Cartago, se reorganizam e readquirem importância económica, política e cultural (v. Fenícios).

Puteus - poço


Poço das Ruínas de Tróia, junto aos balneários.


Putto (pl. Putti) – representação de figura infantil alada

Quadrantes - fragmentos cerâmicos unidos por argamassa que são constituintes do fuste de uma coluna.

Quadrati lapides - silhares de forma paralipédica, de lado menor quadrado, de mais ou menos dois pés (0.60 cm) e com o comprimento de mais ou menos o dobro ou o triplo.

Quadrans,quadrantis: Moeda Romana de pouco valor. Um quadrante era o preço geral das termas.


Quaestor: Magistrado romano. Em rigor, a  palavra questor significa "o homem que questiona". Esse magistrado é mencionado pela primeira vez nas Leis das Doze Tábuas, embora haja relatos de questores que serviram na Monarquia romana. A sua tarefa era investigar casos de assassinatos - eram inspectores de polícia. Mas acabaram por se transformar numa espécie de apoio do governo.  No império, dois dos questores eram nomeados pelo próprio imperador  (os quaestores Augusti ). Eles tinham tarefas financeiras, mas também foram responsáveis pelas mensagens do imperador. http://www.livius.org/q/quaestor/quaestor.html


«Os questores judicavam nos casos de homicídio (questores parricidium); depois, passaram a gerir o erário público (questores aerari). Havia-os em Roma e nas províncias. Os censores efetuavam o censo da população romana e registravam os bens das famílias romanas. Como penalidade por informações falsas que recebessem, poderiam excluir o desinformador do exército, das tribos, do senado e escravizá-lo».
in: Os editos em Roma: traços e julgamento. Arthur Virmond de Lacerda Neto.Outubro 17, 2012 //
https://direitoromanolacerda.wordpress.com/2012/10/17/os-editos-em-roma-tracos-e-julgamento/
Quattuovir - Membro de uma comissão de quatro pessoas. Elementos dos governos das cidades.

Queijo - Já conhecido nos textos bíblicos, o queijo foi usado entre os Gregos. Em Época Romana o queijo foi levado para todas as partes do Império, tornando-se numa iguaria indispensável nas refeições dos nobres e em grandes banquetes, sendo também consumidos por soldados e atletas, pois eram conhecidas as suas qualidades nutritivas e calóricas. Segundo a mitologia, o queijo teria sido descoberto por um dos filhos de Apolo, Aristeu, Rei da Arcádia e era feito com leite de cabra e de ovelha.
Ao que se sabe, na Villa romana do Rabaçal já teria sido produzido queijo na Época Romana.

Rationarium - Estatística

Religio -
«Religio não designava, portanto, o elo sentimental, directo e pessoal do indivíduo com uma divindade, mas um conjunto de regras formais e objetivas, legadas pela tradição, que formavam uma “etiqueta».cit. in.: «Festa das Lemuria: os mortos e a religiosidade na Roma Antiga.
Os rituais deveriam ser rigorosamente observados para que, dessa forma, surtissem efeito  e mantivessem a harmonia em benefício da comunidade
REGINA MARIA DA CUNHA BUSTAMANTE
http://www.snh2011.anpuh.org/resources/anais/14/1312828923_ARQUIVO_ANPUH_2011_ReginaBustamante_08ago.pdf
Ver: Religiões da Lusitânia, MNA.


Rei Cretariae - cerâmicas




Respublica - Res-Publica, a coisa pública. Em sentido amplo o Estado e a sua administração.


Rete, is - rede ou teia"

Retiarius (latim) – Combatente de circo que usava um forcado de três pontas (tridente) e uma rede.


Ritus - designava um modo de acção, de celebração dos serviços religiosos, sem abarcar o conteúdo intrínseco desse serviço. Para este conteúdo, ou seja, para o que nós atualmente chamamos de “ritos”, os romanos empregavam dois termos: sacra e caerimoniae.

Rogus - era a pira usada nos rituais de icineração, onde era colocado o cadáver

Rudus – Espécie de base ou leito para o assentamento de um pavimento de mosaico ou estrada, constituído com argamassa de cal com pedaços de terracota.


Ruina montium - processo de extracção do minério que usava a água represada, liberta subitamente nas zonas a explorar, previamente escavadas por túneis ou trinceiras, acarretando a queda de elevações inteiras que assim permitiam a recolha do mineral. A este método cahamavam os indígenas arrugae. A partir de: «Glossário dos Termos latinos utilizados na obra de Jorge de Alarcão O Domínio Romano em Portugal», Virgílio Hipólito Correia, 1997.

Sacerdoti - sacerdote

Sacrarium (pl. sacraria) - Altares. Lugar onde se guardam objectos sagrados.

https://www.priberam.pt/dlpo/sacr%C3%A1rio [consultado em 09-02-2017].


Saga - Maga, feiticeira 
«La goecia (goetia), que podríamos identificar con la «hechicería» o «magia negra», es una magia vulgar, grosera, degradada, que descansa en el ilusionismo y la charlatanería. Generalmente la goetia va asociada a la magia nociva o maléfica, así como a la magia amorosa o erótica, por lo que era perseguida y castigada por la ley. En el primer caso recurría a los maleficios, las prácticas necrománticas y, sobre todo, a la elaboración de venenos (venena, phármaka)\ en el segundo, a los nudos, a efigies de las personas a las que se desea atraer o a la elaboración de filtros amorosos (pocula amatoria). En Roma y en general en el Imperio, este tipo de magia era practicada casi exclusivamente por mujeres y, particularmente, por la saga, es decir, por la hechicera no especializada, que con frecuencia actúa también como alcahueta (lenae) o trabaja como mesonera (caupona). La literatura latina nos ofrece una amplio repertorio de ellas: Canidia, Ságana, Veya, Folia, Ericto, Meroe, etc.; suelen ser viejas de tez pálida y cabello desordenado, que andan descalzas y actúan de noche cerca de los cementerios. Se las conoce también por utilizar para sus prácticas víctimas humanas (niños especialmente) y mutilar cadáveres».


MONTERO, Santiago, 1997, Diccionario de Adivinos, Magos y Astrólogos de la Antiguidade.
Editorial Trotta, Madrid




Sagarius – fabricante de mantos


Sal facticius - o sal que provém da evaporação da água salgada.
Sal nativus - sal de minas ou a sal-gema. Plínio (N.H. XXXI, 74).

Salarium - A origem da palavra salário, porque os soldados chegavam a ser pagos em sal. De sal derivam as palavras “soldo” (pagamento em sal) e “soldado” (aquele que recebeu o pagamento em sal).

Salsamenta - Preparados de peixe com com consistências pastosas ou viscosa. Enquanto o piscis salsus era um alimento, os salsamenta funcionavam como condimentos. Os salsamenta e os molhos e pastas de peixe salgado eram produtos muito comuns, assegurando boa parte das necessidades de sal das populações (Plínio,N. H . XXXI. 87-88). Mas salsamenta também pode designar o conjunto dos produtos de salga, sólidos ou não, de peixe ou de carne.

Salsum - carne salgada ou com vinagre,  tal como o bacon.

Santuário - espaço onde se concentram templos ou um qualquer local onde se pode cultuar uma divindade. Há santuários ao ar livre, concentrações de edificado, ou rupestres, existindo, em Portugal, de variadíssimas tipologias.  «Um santuário é,  por definição, um espaço onde a comunicação com o divino é possível, onde a re-ligio se concretiza em si mesma e se torna realidade. Esta noção encontra-se estreitamente vinculada ao lugar em si mesmo, independentemente de este apresentar estruturas construídas ou não. Um lugar sagrado revela-se por si próprio e, mais do que as características físicas que este possa apresentar — tais como a sua situação topográfica, a eventual presença de eminentes afloramentos rochosos, nascentes ou cursos de água, determinadas espécies vegetais que possam estar aí localizadas —, 1 é o impacto emocional que a dada altura desperta nos indivíduos que assinala a sua sacralidade. Por conseguinte, um lugar sagrado nunca é escolhido: ele revela-se por si mesmo, e é justamente essa revelação que Séneca descreve ao seu amigo Lucílio Júnior, governador da Sicília».http://www.portugalromano.com/category/santuarios-romanos/


Santuário de Panóias - Vila Real - 29.07.2012. Fotografia de António Mendes



http://ifc.dpz.es/recursos/publicaciones/30/23/10correiasantos.pdf http://www.google.pt/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=6&ved=0CGoQFjAF&url=http%3A%2F%2Fwww.portugalromano.com%2F%3Fwpdmact%3Dprocess%26did%3DMi5ob3RsaW5r&ei=zrkWUKCZM9La0QW9soHADQ&usg=AFQjCNHya8RtEJTlLWt9vRAHwxk9s4JmxA&sig2=Noe137SN9qNdXRpapFWC-Q http://www.portugalromano.com/category/santuarios-romanos/ http://www.igespar.pt/pt/patrimonio/pesquisa/geral/patrimonioimovel/detail/70273/ http://imprompto.blogspot.pt/2006/08/monte-figo-i-o-santurio.html

SalusSalus era a divindade da Saúde na religião romana. Era a personificaão do bem-estar (saúde e prosperidade), não apenas individual, mas como Res publica. A Salus Publica, o interesse de Roma, deve ser a norma da virtus do cidadão.

Na mitologia grega Hígia (equivalente à Salus romana) era a filha de Esculápio. Era a deusa da saúde, limpeza e sanidade (e posteriormente: a Lua), exercia uma importante parte no culto do pai. Enquanto seu pai era mais associado diretamente com a cura, ela era associada com a prevenção da doença e a continuação da boa saúde. A partir da época imperial Salus adquire muitas vezes o epíteto de Salus Augusta.

Ao culto imperial relaciona-se ainda Venus Aug. e as virtudes Pietas Aug. e Concordia Aug.
Nas primeiras fases do culto imperial, relacionar-se-á ainda com a Aeternitas Aug. e, possivelmente, com a Victoria Aug.

Em Évora, o templo centralizado e possivelmente dedicado ao imperador teria um espelho de água, claramente dedicado à ideia da Salus imperial.






Sapa - vinho novo reduzido pela fervura.


Sarcina - uma espécie de mochila de campanha, composta por um bastão cruzado de madeira (furca) onde se transportariam: um loculus – sacola pequena para bens pessoais; um saco de pano e um saco de rede – provavelmente para os bens perecíveis; uma situla, uma patera; uma enxada, uma dolabra; e ainda uma manta.

A partir de: https://www.academia.edu/24407869/Cole%C3%A7%C3%A3o_de_metais_do_s%C3%ADtio_arqueol%C3%B3gico_dos_Ch%C3%B5es_de_Alpomp%C3%A9

Sartago - frigideira plana, redonda ou de ferro, tendo algumas delas asas articuladas, motivo pelo que, pela facilidade de transporte, eram utilizadas pelos militares.

Scaenae - Palco onde eram realizadas as representações cénicas no teatro. Esta fachada ou parede monumental era geralmente muito decorada com estatuária, colunas e pinturas, funcionando como um cenário permanente.

Scopa - Vassoura.

Em Torre de Palma há uma «inscrição que, em jeito de legenda, ali se lê:  SCOPA ASPRA TESSELAM LEDERE NOLI. VTERI F(elix) «Não estragues o mosaico com uma vassoura dura. Felicidades!». A palavra latina scopa usa-se habitualmente no plural (scopae); a adopção, aqui, do singular prende-se certamente mais com uma imposição estética, de paginação, ainda que não seja de desconsiderar a hipótese de ver nesta forma um reflexo da linguagem oral. E, se já tive oportunidade de me referir ao carácter jocoso que a legenda poderia assumir diante dos hóspedes do senhor, também se poderá acrescentar que, na actualidade, dispondo dos elementos reunidos na base de dados do Laboratoire d’Analyse Statistique des Langues Anciennes (LASLA, Universidade de Liège), podemos facilmente saber que se trata de uma palavra invulgar nos monumentos epigráficos, mas documentada nos escritores latinos: no De Agricultura de Catão (152, 1), nos Sermones de Horácio (2, 4, 81), no conhecido Satiricon de Petrónio (34, 3), nas Báquidas de Plauto (Fr. 3, 1)… A referência à vassoura num contexto (diríamos) cultural levou-me a consultar, de novo, o breve artigo que E. Saglio lhe dedica no seu Dictionnaire des Antiquités Grecques et Romaines (s. v. «scopae», tomo IV, p. 1122). Explica como eram feitas: de ramos de olmo, mirto ou azevinho, atados a um cabo, sendo, porém, preferidas, para as vassouras pequenas, as palmeiras anãs, tal como acontece, ainda hoje (...) José d'Encarnação in «Leite de Vasconcelos e as inscrições romanas – flagrantes de um quotidiano vivido». O Arqueólogo Português, Série IV, 26, 2008, p. 385-406.






Scutarius – fabricante de escudos (V. Homem Romano, p: 190).

Scutum - Escudo que pode ter várias formas, ao longo dos tempos. Neste caso o Scutum era um escudo rectangular, curvado, de madeira forrado a couro com reforços metálicos nas bordas e no centro, para proteger a mão.




Fotografia a partir de: By No machine-readable author provided. MatthiasKabel assumed (based on copyright claims). - No machine-readable source provided. Own work assumed (based on copyright claims)., CC BY-SA 3.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=191461

Secutor – gladiador cuja função erra correr atrás do inimigo, depois de lançada a rede, a ver se podiam feri-lo de haver tempo para a preparar de novo.

Selo - (do latimsigillum) originalmente designa a peça, geralmente feita em metal, onde são gravados sinais. Na imagem podemos ver caixas para selar correspondência (ou documentos) do Centro interpretativo da Villa Romana do Cerro da Villa (Vilamoura, Loulé). O sistema de fazer chegar a correspondência foi desenvolvido pelo imperador Augusto, permitia aos soberanos governar a enorme extensão de territórios do império a partir de Roma. Os romanos denominavam "cursus publicus", o sistema que garantia a transmissão de notícias, a viagem dos funcionários e o transporte de bens em nome do Estado. Os mensageiros eram chamados "tabellarii" pelo fato de conduzirem as "tabellae" - pranchetas de madeira, que transportavam em bolsas de couro. Além dos mensageiros, o Estado utilizava o "cisium" – espécie de biga puxada por cavalos velozes para despachos rápidos. As clabulas e birotas - puxadas por bois e mulas, eram usadas para serviços de menor urgência. O correio romano era regulamentado por lei. O Estado mantinha as "mutationes" (postos de troca de animais) e as "mansiones" ou "stationes" (paragens com estalagens e instalações para viajantes). As estradas eram marcadas pelos "miliarium", marcos colocados em intervalos de cerca de mil passos (1480 metros) (PR) Curatores viarum – funcionários incumbidos pelo Senado, durante a República, da construção das pontes e vias, tais como cônsules, pretores, censores. Com o império incia-se a prática do evergetismo. Os possessores que tinham propriedades junto das vias , bem como as comunidades que usufruiam da rede viária em determinada região também participavam no financiamento da construção das pontes. Segundo um belíssimo e clarificador comentário de Luís Fraga da Silva que muito agradecemos: «A designação desses pequenos objectos em diversas línguas é: “boîtes à sceau”, “seal boxes”, “cajas para sello”, “Siegelkapseln”». Assim, a tradução para “caixa de selo" «por levar imediatamente à falsa analogia com os modernos “selos de correio”, como se de um dispositivo legal de franquia postal se tratasse ou como se o seu uso estivesse regulado ou limitado pelo “correio estatal”, como de resto se dá erradamente a entender no texto ao ligar sem mais as referidas caixas ao “cursus publicus”. Tratam-se na realidade de caixas metálicas para selos (de cera, segundo Colin Andrews, ver abaixo) destinados ao fecho de dípticos de tabuinhas com textos escritos. O fecho realizava-se pela selagem de cordéis que atavam as tabuinhas e que de algum modo entravam na caixa pelos orifícios existentes na sua face traseira. É um dispositivo para assegurar a inviolabilidade de correspondência através da integridade do selo, pois a abertura do volume formado pelo par de tabuinhas implica: ou a abertura da caixa e destruição do selo; ou o corte dos cordéis. Tinha portanto uma função semelhante à posterior selagem por lacre, que se mantém até aos nossos dias. Sobre os diferentes contextos de uso e lugares de achamento assim como sobre o modo de operação e os tipos formais principais e a respectiva cronologia, ver a bibliografia abaixo». 

BIBLIOGRAFIA RECENTE NA NET Colin J. Andrews, “Roman Seal Boxes”, UK detector finds database. Autor do livro "Roman Seal-Boxes in Britain", BAR (BS 567), 2012 http://www.ukdfd.co.uk/pages/roman-seal-boxes.html T. Boucher & M. Feugère, “Les boîtes à sceau romaines du Musée de Montagnac (Hérault, F)”. Instrumentum n°29, juin 2009, 9-12. http://www.academia.edu/.../Les_boites_a_sceau_romaines... A. R. Furger & M. Wartmann & E. Riha, "Die römischen Siegelkapseln aus Augusta Raurica". Forschungen in Augst 44, 2009 (resumo em inglês) http://www.augustaraurica.ch/publ/sum-fo/sum_fo-044e.htm S. Holmes, "Seal boxes from Roman London", The London Archaeologist 7.15, - 391-395, 1995 http://archaeologydataservice.ac.uk/ar.../archiveDownload... 


Foto de Luis Fraga da Silva. Caixas de selo romanas. Vila Moura (Centro Interpretativo).






Ver:

«Instrumentos de escritura en Hispania».
Javier Alonso
José Manuel Jerez Linde
Rafael Sabio González

https://www.academia.edu/…/Instrumentos_de_escritura_en_



Semita significa literalmente "caminho", "vereda" e indicava geralmente um traçado facilmente percorrível (especialmente a pé), mas que não tinha as características de uma verdadeira estrada.

Senatus -

Sepulturas - De inumação:







Sepultura de inumação. Ruínas Romanas de Tróia.



Servir augustal - membro de um grupo de seis (Sexviri, v. Duumvir e quatorvir) sacerdotes do culto de Augusto. (A partir de: «Glossário dos Termos latinos utilizados na obra de Jorge de Alarcão O Domínio Romano em Portugal», Virgílio Hipólito Correia, 1997). Ver: «O Homem Romano» e Le Génie Romain.

Servus/Servi - escravos Servi atriensis - servos de casa. Servi cursores, viatores - servos de fora. Ver: «A Vida em Roma», P. Grimal e «A Vida Quotodiana», pp: 80-100.

Recomendo entre outras as seguintes obras: ANDREAU, J. Et. All. O Homem Romano. s/l: Editora Presença, s/d. pp. 119-124.
Ver «A História Social em Roma».«A escravidão romana entre os séculos III a.C e I d.C e a sua reflexão pelos pensadores dos séc. XVIII e XIX1 Prof. Mestrando Carlos Eduardo da Costa Campos»




O trabalho escravo era fundamental à ecomonia romana, pois eram a maioria da mão de obra. Trabalhavam na vida agrícola, pois os grandes proprietários, as famílias patrícias abastadas, utilizavam mão-de-obra escrava.Os "dominus", eram, portanto, esses senhores, proprietários de terras e de escravos.Mas a escravatura era também usada na mineração e no serviço doméstico.Salienta-se que nos séc. III – I a.C. se verifica uma divisão na utilização da mão de obra livre e escrava nas propriedades agrícolas romanas, através dos escritos coevos de Catão, Varrão e Columella (Ver: Fábio Duarte Joly,«A Escravidão na Roma Antiga: Política, economia e cultura».2005:28).«Na casa (domus) o escravo encontrava certos benefícios, os quais lhe eram negados pela lei. Se lhe era negado o direito ao conubium (matrimonio legal), o escravo na casa do seu senhor possuía direito ao contubernium; não possuindo direito a propriedade juridicamente, ele recebia do seu senhor muitas vezes o peculium, podendo ainda a possuir em certos casos, os seus próprios escravos, os quais eram denominados de Uicarii. Para se tornar um cidadão de Roma, o escravo deveria pertencer eminentemente a um cidadão romano. Notamos no mundo romano, que três são as formas de manumissão5: pelo censo, que ocorreria através da inscrição do escravo entre os cidadãos no momento que acontecia o recensseamento; por uindicta, o qual seria o processo de libertação realizado por um magistrado, normalmente seria o pretor; e por testamento, quando o testador explicitava em seus escritos a vontade de ver livres os seus escravos após a sua morte (JOLY,2005:23- 4)».Mas muitos escravos tiveram outras actividades e foram foram gladiadores e lutadores, sendo a origem da palavra “Gladiador” da espada curta usada por este lutador, o gladius (gládio).Gradualmente, os direitos dos escravos aumentaram e muitos deles toranaram-se libertus, obtendo a sua alforria (manumissio). Contudo, um escravo liberto não possuía muitos dos direitos e privilégios dos cidadãos romanos e a sua liberdade só se fazia sentir nos descendentes (ver libertus). Estava-lhe assegurado o direito de conubium (matrimonio legal), de ter filhos legítimos, de fazer contratos, ter e transmitir propriedades por testamento. Não obstante, tinha que manter laços com o seu ex-senhor, agora transformado em patrono:«O escravo é definido essencialmente por antíteses. Para lá das profundas transformações geradas pelas perturbações sucessivas do contexto histórico, ele permanece, durante séculos, o negativo do cidadão. (...) O modo de viver do cidadão implica o tempo livre, a scholé ou o otium, que lhe permite dedicar-se às atividades criativas, a começar pela política; pelo contrário, a condição do escravo é caracterizada pela ausência de tempo livre; como um animal doméstico, trabahla, e, para recobrar forças para o trabalho, come e dorme. (...) para o seu senhor, é o mesmo que o boi é para o pobre, é um objeto animado que faz parte dos seus bens. A mesma idéia encontra-se constantemente no direito romano, onde o caso do escravo surge muitas vezes ligado ao de outros elementos do patrimônio: é vendido segundo as mesmas normas de um lote de terrenos, num legado, é incluído entre os utensílios e os animais. É, sobretudo, um objeto, um res mobilis. (...) Por conseguinte, há duas coisas que ficam claras. Em primeiro lugar, um escravo é um escravo, ou seja, fundamentalmente, alguém que não é senhor do seu destino e cuja situação, embora agradável em certas circunstâncias, pode sempre ser radicalmente reposta em causa pela simples vontade do senhor». (ANDREAU, J. Et. All. O Homem Romano. s/l: Editora Presença, s/d. pp. 119-124.)


Imagem: Escravos servindo um banquete. Proveniente de Cartago. Século III. A partir de: http://novahistorianet.blogspot.pt/2009/01/roma-antiga.html



Seruae - Servas
Ver: Carla Rubiera Cancelas, 2014
LA ESCLAVITUD FEMENINA
EN LA ROMA ANTIGUA
FAMVLAE, ANCILLAE ET SERVAE

Poderá fazer o download, através deste link:
https://issuu.com/edicionestra…/…/la_esclavitud_femenina_web


Sextarius - unidade de medida equivalente a 1/48 de uma ânfora, ou 547 ml. Ver medidas romanas em: http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/29146/000775928.pdf?sequence=1


Sica - espada muito curta com a lâmina  ligeramente curva usada pelos Trácios

Sigillaria - estatuetas de cerâmica, cera ou prata que eram oferecidas como presentes tradicionais durante os Festivais Saturnalia. 

Sigilo - trigo do inverno; trigo muito duro. Trigo de primeira qualidade (Vaar. R. Rust. 1, 23).

Signa Pistoris - Selos de padeiro que identificavam os seus produtores.
 http://derecoquinaria-sagunt.blogspot.com.es/2013/01/signa-pistorum-sellos-de-panadero.html 

Skyphos – Taça baixa com duas asas dotadas de apoio para os dedos. Copiavam taças de prata usadas para beber vinho.

Silentiu – Silêncio, ausência de qualquer defeito na tomada de auspícios ou agouros.

Silhar – pedra aparelhada, esquadriada. Termo usado para a cantaria de época romana. 


Sítula - balde ou caldeira para aquecer água





Sítula de bronze, Museu Monográfico de Conímbriga.

Sodalicium - Sociedade, grupo de camaradas.

Soleira – Parte inferior do vão da porta, ao nível do piso, constituída por pedra, mármore ou peça de madeira, onde entram também os encaixes da porta.

Soldado -
Marte era normalmente figurado com os atributos militares: capacete, couraça, lança e escudo. Em Torre de Palma, Monforte, há um altar onde Marte está assim representado.


Em território português há também alguns exemplares de capacetes, designadamente o encontrado em Aljezur e em Cabeço de Vaiamonte, Monforte.




Capacete de bronze, Aljezur.







Sistema de encaixe da porta em soleira dos balneários de Miróbriga, Santiago do Cacém.

Sonu - som, fenómeno acústico que consiste na propagação de ondas sonoras produzidas por um corpo que vibra num meio material elástico (especialmente o ar).

Sonus (latim) – sono (ver incubatio).
A Fábula do Sono, Marco Cornélio Frontão, século II


«Não roubes tempo ao sono e respeita os limites entre o dia e a noite. Imagina que dois deuses muito ilustres e nobres, a Tarde e Lúcifer, mantiveram um litígio sobre umas fronteiras ainda por delimitar. Cada parte fez as suas alegações sobre os seus respectivos territórios. O sono solicita intervir no seu litígio porque diz que o assunto também o afecta e que se sente prejudicado».


O sono nasceu, pois, porque Júpiter, ao verificar que os Homens passavam a noite sem descansar, dedicando-se na mesma aos seus afazeres e negócios, resolveu criar o deus sono, dotando-o de asas, como Mercúrio mas, desta feita, nas costas. E o sonho foi a forma que Júpiter encontrou para que o sono dos Homens fosse mais agradável».

Specillum - sonda





Estes instrumentos médico cirúrgicos são provenientes da villa romana do Montinho das Laranjeiras, Alcoutim

11 - Sonda espatulada
12 - Sonda de ouvido (Oricularium specillum)
13 - Colher-sonda ou Ligula tipo specillum

Imagem a partir de: Joana Farinha Gomes
«Os Materiais Médico-Cirúrgicos de Época Romana
do Museu Nacional de Arqueologia». Vol.II - Anexos
Mestrado em Arqueologia.
Disponível online

Specullum – Espelho.  Normalmente era de bronze polido numa das faces e decorado na outra.




Espelho romano com representção de Vitória alada. Museu Nacional de Arqueologia

Spina ou Euripus – Muro de baixa altura que divide longitudinalmente o circo em duas metades, sem o atravessar na totalidade. Nos extremos da spina localizam-se as metae: meta prima e meta secunda. Os carros – bigas ou quadrigas – corriam à volta da spina e junto às metae colocavam-se os fiscais, ovaria, que contavam as voltas que os concorrentes tinham percorrido. Sobre a spina podiam existir estátuas, altares, fontes, ou mesmo obeliscos.

Strigillum - Um Estrigil ou estrigilo é um raspadiera de metal longo e fino que na cultura greco-romana foi usado para limpar o corpo de óleo. Foi utilizada pelos etruscos após o combate e, mais tarde, pelos romanos.


Os antigos romanos não utilizavam substâncias de limpeza, como o sabão, mas o óleo ou unguentos eram raspados com esse instrumento curvo.






Strigilo. Colecção Estatal de Antiguidades. Munique.
Imagem obtida a partir de: https://www.facebook.com/pages/Traianvs-Ingenier%C3%ADa-Romana/151487124895824



Ver ainda: Mosaico da Villa romana de Rio Verde, com representação de espelhos, strigilos, chinelos. Marbella. 
Fotografia Traianvs. Ingenieria Romana.



Substitius - substituto

Sutor - sapateiro





NE SUTOR ULTRA CREPIDAM, NÃO VÁ O SAPATEIRO ACIMA DO SAPATO

Ne supra crepidam sutor iudicaret, Que o sapateiro não julgue mais do que sandália.

Conta-nos Plínio-o-Velho, escritor, naturalista e gramático romano, que Apeles, um dos mais famosos pintores da Antiguidade, nascido na cidade grega de Cólofon, em 352 a.C. foi criticado com razão por um sapateiro pela maneira como representara num dos seus quadros um calçado (N. H.35,36,85). Porém, após esta crítica ter sido acolhida pelo pintor grego, pois era razoável, o sapateiro sentiu-se no direito de fazer novos comentários ao quadro. Apeles sentiu que o sapateiro se excedera , e então lhe dirigiu a seguinte resposta que ficou famosa: «Ne supra crepidam sutor iudicaret, Que o sapateiro não julgue mais do que sandália».

Na imagem: Estela funerária de um sapateiro, procedente de Reims-Durocortorum. Museo de Saint-Rémi. 


Stagnum - Tanque com função decorativa em jardins. Lago artificial

Ver: "Jardins de Conimbriga: arquitectura e gestão hidráulica."
Pilar Reis
Virgílio Hipólito Correia
Barcelona, 2006.
https://www.academia.edu/…/_Jardins_de_Conimbriga_arquitect…


Statione - paragens com estalagens e instalações para viajantes

Statio marmorumOs mármores foram explorados desde Época Romana, havendo conhecimento que em  Alconera, Estremoz, Trigaches, Sintra ou Viana do Alentejo essa exploração se fez desde o século I d.C.

Sendo privadas, gradualmente as minas e canteiras foram passando para o controlo dos imperadores que entregava a sua gestão a uma «statio marmorum» com um «procurator marmorum» à frente.

Mármoles de Lusitania.
Fundación de Estudos Romanos

Museo de Arte Romano, Mérida

Comissárias da exposição: Arianna Fusco

Irene Mañas Romero


Stabulum – Hospedaria. Mas também aparece significando curral.

Statera ou trutina - balança de origem romana


(ver as de Coninbriga)


Statumen – Espécie de uma base de assentamento de um pavimento ou estrada, que forma um betão constituído por pequenas pedras, cal e areia ou saibro.


Stibadium - Leito semicircular em volta da mesa

Stilus - (pl. stili) punção ou instrumento metálico (executado em ferro ou bronze) ou em osso que servia para escrever nas tábuas de cera, sendo do lado oposto mais plano, para funcionar como apagador. Através da utilização de uma espátula podia-se, assim, apagar e voltar a escrever. 
Vertere stilum significa apagar. O stylus também foi denominado graphium.
Stipendium - Tributo

Stola - Manto comprido. Tipo de túnica que usavam as mulheres romanas que se prendia junto aos ombros e geralmente de cores vivas ou de tecido ornamentado.


Ver: As Mulheres em Roma neste site.

Stratum - cama, mas que também está na origem de estrato (de estratigrafia).

Studium - Edifício associado ao culto de Mitra, mas distinto do mithraeum.

Sudatio - compartimento entre o sudatorium e o calidarium.

Sudatorium – Sala onde se praticava o banho de vapor ou sudatio. Trata-se de uma zona húmida e quente dos balneários.

Suspensura (pl. suspensurae). Pavimento suportado por pilares ou arcarias que sustentava os pavimentos das salas aquecidas das termas. Genericamente eram construídos com tijolos, se bem que também existam casos em pedra, em pilares. O Hipocaustum era o espaço aquecido pelas suspensurae. Pavimento que assentava sobre pilares ou arcarias de sustentação que viabilizavam a circulação do ar quente das termas ou balneários.



Circulação de ar no hipocausto de Miróbriga. Desenho de Dario de Sousa. MNA. 
Campanhas de D. Fernando de Almeida.

Sutor – sapateiro ou o artesão que coze peles e cabedais.





Estela-funerária-de-um-sapateiro-procedente-de-Reims-Durocortorum.-Museo-de-Saint-Rémi


E SUTOR ULTRA CREPIDAM, NÃO VÁ O SAPATEIRO ACIMA DO SAPATO


Ne supra crepidam sutor iudicaret, Que o sapateiro não julgue mais do que sandália. Conta-nos Plínio-o-Velho  que Apeles, um dos mais famosos pintores da Antiguidade, nascido na cidade grega de Cólofon, em 352 a.C. foi criticado com razão por um sapateiro pela maneira como representara num dos seus quadros um calçado (N. H.35,36,85). Porém, após esta crítica ter sido acolhida pelo pintor grego, pois era razoável, o sapateiro sentiu-se no direito de fazer novos comentários ao quadro. Apeles sentiu que o sapateiro se excedera , e então lhe dirigiu a seguinte resposta que ficou famosa: «Ne supra crepidam sutor iudicaret, Que o sapateiro não julgue mais do que sandália».Na imagem: Estela funerária de um sapateiro, procedente de Reims-Durocortorum. Museo de Saint-Rémi. A partir de:https://www.facebook.com/pages/Traianvs-Ingeniería-Romana/151487124895824


Tabella (pl. tabellae) - pranchetas de madeira enceradas usadas para escrever.

Tabellae ceratae  - tábuas enceradas simples, duplas ou múltiples, podendo ser atadas por um cordel. Dispunham de um Stylus ou punção para escrever de um dos lados e o outro, mais plano, funcionava para apagar. 

Tabella defixionis - Trata-se de placas sobre as quais se gravavam fórmulas que votavam um adversário aos deuses infernais ou a um demónio malfeitor, ou seja placas com dizeres de feitiço ou maldição. Na Cripta Arqueológica do castelo de Alcácer do Sal foi encontrada uma destas placas.


«La extraordinaria variedad de amuletos o de tablillas de execración (tabellae defixionum) bastan para darnos una idea de la diversidad y de las finalidades de la magia; las tabellae (tablillas cuyo objetivo era someter a una persona o anular su voluntad mediante una inscripción en la que se invocaba el poder de las fuerzas infernales) fueron clasificadas por A. Audollent en: judiciales (empleadas en los juicios), agonísticas (en competiciones deportivas), eróticas (para actuar sobre la persona amada), execratorias (contra calumniadores o ladrones) y comerciales (para favorecer transacciones):


MONTERO, Santiago, 1997, Diccionario de Adivinos, Magos y Astrólogos de la Antiguidade.
Editorial Trotta, Madrid







Para além de outros textos publicados sobre a mesma, recomendamos a leitura de:  «Anotações ao texto da tabella defixionis de Alcácer do Sal, Amílcar Guerra, in Revista Portuguesa de Arqueologia. volume 6. número 2. 2003, p. 335-339. Para outros paralelos, ver: http://droitromain.upmf-grenoble.fr/Francogallica/Tabellae_defixionis_fran.htm


«O santuário romano e a defixio de Alcácer do Sal»
José Encarnação

Tabellarii - portadores das mensagens



Taberna (pl. tabernae) - Pequena loja comercial ou armazém. O termo tabernae designava todo tipo de pequenos estabelecimentos comerciais onde se podia fazer compras diárias durante a manhã.
Ver «O Homem Romano», p: 240.
Vida cotidiana en la Roma de los Césares; Amparo Arroyo de la Fuente.


La vida cotidiana en Roma en el apogeo del Imperio; Jérôme Carcopino.


La vida en la antigua Roma; Harold W. Johnston.


La vida en la antigua Roma, Javier Ramos



Era também comum para os romanos consumir alimentos fora de casa, pelo que existem vários tipos de locais onde se vendiam, a exemplo das cuppediae, frequentadas por clientes mais ricos. As popinae eram as mais populares, onde se podia comer ou comprar para levar.
Similares às popinae, eram as cauponae, onde se vendia vinho e se podia também pernoitar .


E ainha havia as "tascas", normalmente mal afamadas, onde se podia comer e beber vinho, thermopolia.  
Assim no-las define Javier Ramos em La vida en la antigua Roma:
  • «Las thermopolia, eran los snack-bar de la Roma antigua. Vendían alimentos en un mostrador y era donde los romanos solían acudir a beber vino.
  • Las cauponae y popinae eran lugares de comida rápida, una especie de McDonals de hoy en dia, parada obligada de muchos transeúntes.
  • Estos locales eran locales impropios de las clases altas.
  • La entrada de mujeres estaba terminantemente prohibida
  • Cerraban mas tarde que el resto de negocios
Las funciones  de la cauponae, popinae y thermopolia terminaron por confundirse, de modo que en todos ellos solía ofertarse comida e, incluso alojamiento. Los más pobres, aquellos que no disponían de hornos en los exiguos cubículos de las viviendas de alquiler, podían acudir a estos establecimientos para calentar la comida. Algunas caupona eran posadas u hoteles que proveían alojamiento y en algunos casos un menú en base a vino, carne y pan».

Taberna vinariae - estabelecimientos dedicados ao consumo de vinho 



«Placa emeritende conservada no MNAR de Mérida. Representa um taberneiro que enche um jarro de vinho num tonel (certamente alusáo â profissáo da defunta). No frontão está a dedicatória aos Manes. Debaixo, gravou-se a cartela. O marido fez a dedicatória a sua mulher. Trata-se, provavelmente, de libertos (ambos possuem o mesmo nomen e, ela um congnomen grego), mas não são cultos: escrevem cun cua, em vez de cum qua».



Legenda e imagem a partir de: O Homem e a Morte na Lusitânia, José Luís RAMIREZ SÁDABA, in RELIGIÕES DA LVSITÂNIA - LUQUUNTUR SAXA. Museu Nacional de Arqueologia, Lisboa. 2002.




Ver: Taberna. Pompeia. Imagem a partir de: De bares por la Roma antiguaTexto de Javier Ramos/ La vida en la antigua Roma.


Ver também: De Bares Romanos: Thermopolia.
 http://derecoquinaria-sagunt.blogspot.com.es/2014/01/de-bares-romanosthermopolia.html


JESÚS GARCÍA BARCALA, El ambiente de una taberna en la Antigua Roma.

JULIO 16, 2015 POR

http://www.cienciahistorica.com/2015/07/16/el-ambiente-taberna-en-la-antigua-roma/


Tablinum — sala principal ou divisão nobre da casa romana.Compartimento reservado ao dono da casa e sala de recepção, arquivo e biblioteca

Tabula -  placa, prancha , tábua. Sobre a célebre Tabula de Aljustrel, pode ler neste mesmo site:  http://www.portugalromano.com/2011/01/a-tabula-de-bronze-de-aljustrel-elementos-para-sua-compreensao/

Tabularium -  Arquivos públicos; arquivo ou cartório. Tabularium foi um edifício construído em Roma por ordem do ditador Lucius Cornelius Sulla em 78 a.C. e, mais tarde, objecto de conservação pelo Imperador Cláudio. Construído com a rocha local (peperino e travertino) a sua fachada era decorada com as ordens arquitectónicas dórica e coríntia. O imóvel de que apenas se conserva o piso inferior, situava-se na parte Oeste do forum romano e funcionava como arquivo oficial de Roma, local onde se guardavam os éditos, leis e tratados da magistratura romana.

Tabulae Ceratae - consistiam em pequenas tábuas de madeira com um desbaste em cada uma das suas faces, ou apenas numa delas, que cobertas com uma fina camada de cera de abelha permitiam que se escrevesse sobre elas com os stili ou estiletes. Da Época Romana são também conhecidos inúmeros arquivos domésticos de  Tabulae Ceratae, designadamente os de Pompeia e Herculano, que poderão ser melhor conhecidos através do trabalho «Gli archivi privati di tabulae ceratae e di papiri documentali a Pompei ed Ercolano: case, ambienti e modalità di conservazione» de Giuseppe Camodeca, consultável em:

https://www.academia.edu/2614815/Gli_archivi_privati_di_tabulae_ceratae_e_di_papiri_documentari_a_Pompei_ed_Ercolano_case_ambienti_e_modalità_di_conservazione

Poderá ainda consultar: 
Javiel Alonso, 2013, «Cápsulas de sellos en Hispania romana. Aproximación a una primera clasificación formais = Caixas .Seal em Hispânia romana: Abordagem de uma primeira classificação formal». Sautuola XVIII
Revista del instituto de prehistoria y Arqueologia Sautuola


https://www.academia.edu/16071541/C%C3%A1psulas_de_sellos_en_Hispania_romana._Aproximaci%C3%B3n_a_una_primera_clasificaci%C3%B3n_formal_.Seal_Boxes_in_Roman_Hispania_Approach_to_a_First_Formal_Classification

Tabularius (pl. tabularii) - Guarda livros, arquivista ou notário (tabelião). Auxiliado por adjuntos ou ajudantes (adiutor, pl. adiutores).

Talheres

Talheres de mesa e mascarões báquicos de sítulas. MNAR (Mérida).
Fotografia gentilmente cedida por José manuel Jérez Linde

Theatrum – Teatro, local para representações cénicas que tendo os Romanos herdado dos Gregos, embora se diferencie dele porque tem uma planta semicircular, ao contrário do grego que era circular. 
Aqui se representavam normalmente a tragoedia e a comoedia, se bem que a pantomima (mímica e dança) o mimus , géneros populares tivessem sido muito apreciadas na Época Imperial, onde podiam participar mulheres ao contrário do que acontecia nos outros casos.


As representações cénicas romanas combinavam dança, canto e músiva.
Os profissionais do teatro por excelência eram os actores e os dramaturgos, se bem que sejam conhecidos muitos mimos.
Era constituído por 3 espaços  diferenciados: a cavea (onde se sentavam os espectadores) que se dividia em immamedia e summa cavea; a orchestra (onde se localizava o coro, mas muitas vezes não usado para esse efeito em época romana) e a scaenae (o espaço onde actuavam). Por vezes tinha um toldo (vellum) que se podia recolher ou  estender, protegendo os espectadores nas bancadas do efeito do Sol. Há referências (Lucrécio) do uso deste pano em amarelo, vermelho e púrpura.
A palavra vela deriva do latim "vellum" que, na origem, queria dizer pergaminho de pele de bezerro ("vitulinum" significa feito a partir de bezerro), mas que podia ser de outro animal.
O que designamos hoje por vela latina e que os Portugueses adaptaram, muitos séculos depois, deve ter tido origem por volta de 200 a.C. na região do mar Mediterrâneo.



Repuxo de fonte com máscara teatral trágica. Villa de Torre Aguila, Barbano. Badajoz.


http://revistadehistoria.es/diferencias-entre-teatro-anfiteatro-y-circo/
Ver ainda: EDIFICIOS PARA LA CELEBRACIÓN DE ESPECTÁCULOS 
http://www.spanisharts.com/arquitectura/roma_espectaculos.html

Ver LVDI ROMANI


Tegula (p. tegulae) – telha plana utilizada quer no pavimento, quer nos telhados, formando a sua base, geralmente feita de argila cozida ao fogo.



Tegulae e imbrices


Tegula mamata (pl.Tegulae mammatae) - grandes telhas planas com saliências ou protuberâncias-mamilos (mamae) nos ângulos de forma a poderem ser fixados à parede, vulgarmente utilizadas nos balneários, ao que parece para isolar de humidades ou para permitir a circulação do ar aquecido.Fixadas sobre uma parede, deixavam entre esta e as telhas um espaço vazio onde podia circular o ar. 

Temenos - limite sagrado (de um templo ou santuário).


Templo - (latim templum), ou local sagrado,  eram obras de arquitectura dedicadas ao serviço religioso.

Poderiam classificar-se segundo o número de colunas na fachada, em:

  • Tetrástilo: 4 colunas na fachada
  • Pentastilo: 5 colunas na fachada
  • Hexástilo: 6 colunas na fachada
  • Octastilo ou octostilo: 8 colunas na fachada
  • Decástilo: 10 colunas na fachada
  • Dodecástilo:12 colunas na fachada
Segundo número de filas de colunas:
  • Monóptero: 1 fila de colunas. Também designa os templos de planta circular rodeados por 1 fila de colunas e com cúpula.
  • Díptero: 2 filas de colunas
  • Pseudodíptero: similar ao díptero, mas em que as 2 filas de colunas não envolvem todo o templo (p. ex. a fila de colunas interior está embebida nas paredes do naos).


Pode consultar: http://www.slideshare.net/DuarteScia/arquitetura-romana-16023484 http://www.uned.es/geo-1-historia-antigua-universal/NOTICIAS/INICIO_NOTICIAS_ACTUALIDAD_CABECERAS_TEMAS.htm
In antis: las paredes laterales de la cella se proyectan encerrando dos columnas y forman así un porche.

El más sencillo se llama templo in antis, quiere decir con antae (prolongación de los muros de la naos hacía delante para formar el pórtico). Este templo consiste en una única habitación y un pórtico generalmente con dos columnas. Son de pequeño tamaño y también se les denominaban tesoros, porque era el lugar donde se realizaban las ofrendas.


·          Próstilo: cuatro columnas en la fachada delantera.





Anfipróstilo: columnas en las dos fachadas.




Se trata de un modelo poco común,el más característico está en la Acrópolis de Atenas y es llamado el templo de Atenea  Niké.




Períptero: los mas corrientes, rodeado completamente de columnas.


Templo períptero, lo define el que tiene un anillo de columnas que lo rodean por los cuatro lados y generalmente es el de mayor tamaño. De este tipo suelen ser el 90% de los templos griegos. El templo períptero se clasifica necesariamente también por el número de columnas que tiene en el lado corto, así si tiene seis se llama períptero hexástilo, sí es de ocho períptero octástilo, sí es de diez períptero decástilo y sí es de doce períptero dodecástilo. Además se añadía una regla por la cual el número de columnas del lado largo debía de tener el doble más una, de las columnas de los lados estrechos. Esta regla corresponde a la etapa clásica.







Según el número de columnas en el frente de los perípteros pueden ser:


Hexástilos: forma mas común y mínima para ser períptero·          Octástilo, decástilo, dodecástilo..

Pseudoperíptero


......



 
Segesta,Sicilia

 Díptero: dos filas de columnas alrededor.




Monóptero: planta circular. Restringido a los santuarios.


                                                                                 Philipeion,Olimpia










 Megaron y Megaron precedido de un pórtico.


El megarón es el antecedente de los templos griegos. En sus orígenes era el lugar de reunión de los jefes de los genos (la más antigua estructura social, un clan con gente de la misma sangre, donde el trabajo, hogar y descanso era común y donde sólo existía una autoridad, el más viejo). Había bancos alrededor de las paredes interiores del templo, y en el centro estaba el hogar (donde ardía el fuego).


In Antis, In Antis, Próstilo y Anfipróstilo. 782 bytes. In Antis, In Antis, Próstilo y Anfripróstilo.


El templo in antis (antis=columna) tiene dos columnas en el pórtico y a veces detrás del templo. El templo próstilo tiene cierto número de columnas (siempre pares) en la fachada delantera, más otras dos en el pórtico. El templo también se clasifica por el número de columnas, así si son cuatro es tetrástilo. El templo anfipróstilo tiene cuatro columnas adelante y atrás. Es tetrástilo.


Períptero. 391 bytes. Períptero.


El templo períptero tiene un vestíbulo de acceso en la parte delantera llamado pronaos; la morada del dios en la parte central, que es la cella o naos; y el opistodomos en la parte trasera, que es la sala donde se ponían los exvotos u ofrendas a los dioses. Este templo es in antis, por tener dos columnas en la entrada delantera y trasera y está rodeado de columnas (normalmente pares). Si no son columnas pares es que el templo es muy viejo, primitivo. Un templo hexástilo es el que tiene seis columnas en los frentes.

Seudoperíptero. 369 bytes. Pseudoperíptero.


En el templo pseudoperíptero todo es cella. En los frentes tiene seis columnas (hexástilo) y está rodeado de medias columnas adosadas a la pared (falso períptero o pseudoperíptero).


Díptero. 606 bytes. Díptero.


El templo díptero tiene una pronaos y cella. Delante tiene tres filas de ocho columnas (octástiolo) y está rodeada de doble columnata (díptero) exenta.

Seudíptero. 564 bytes. Seudíptero.


El templo seudíptero o de falso díptero tiene pronaos y cella. En el frente tiene doble fila de ocho columnas exentas. Alrededor del templo hay dos filas de columnas, una exenta y otra adosada a la pared.

Tolos. 226 bytes. Tolos.


El templo tolos está dedicado a los dioses del fuego. Son circulares, rodeados de columnas y en ellos se encierran tesoros.

In Antis, Tetrástilo, octástilo y períptero. 446 bytes In Antis, Tetrástilo, octástilo y períptero.






Templo. 32927 bytes.




Monóptero



Díptero




Pseudodíptero

Pseudodíptero  

 Ver:








Templo dedicado ao culto imperial, Évora. Era circundado por um espelho de água, muito provavelmente associando-se à Salus Imperial.

Tipos de templos:

Templo in antis – Segundo Vitrúvio (De Architectura, III. 2, 2), os templos, ou melhor dizendo, aedes in antis, têm muros laterais que se prolongam para a frente da cella – a parte essencial da aedes, onde se conserva uma estátua da divindade ou um símbolo sagrado – e que constituem as faces laterais do pórtico ou pronaos. Entre elas deverão existir duas colunas. Por cima existirá um frontão que ajuda a suster a cobertura.O templo in antis é o tipo mais rudimentar de edificação religiosa, da qual derivam construções mais complexas. Este tipo de construção, de que existem inúmeros exemplares na Hispânia romana[1], contrariamente ao que se verifica noutras províncias do Império, parece ter sido, tal como os templos perípteros (ou pseudoperípteros), um dos meios eficazes de difundir a romanização nas províncias hispânicas

[1] Conhecidos na Península Ibérica são pelo menos dezasseis exemplos de templos in antis, sendo o de Miróbriga um dos poucos que domina um forum urbano. Na maioria dos casos, os templos in antis conhecidos são de pequenas dimensões e subordinam-se a outras construções do núcleo urbano, como acontece em Ampúrias com os «templos gémeos» a que faremos referência mais detalhada, em Baelo, no forum monumental, em Bilbilis, no teatro, ou em Alcântara, junto à ponte romana.




Reconstituição hipotética do templo de Miróbriga, segundo D. Fernando de Almeida. 
Desenho de Dario de Sousa.




Templo de Diana, Mérida



Ver o Templo de Nimes. Fotografia Filomena Barata. «Se trata de un templo corintio y hemiperíptero elevado sobre un podio con escalera con una única nave y columnas adosadas a la cella a modo de peristilo. En el frontón no hay decoración escultórica seguramente se ha perdido, y en el friso aparecen adornos florales que nos recuerdan a la ornamentación del Ara Pacis», a partir de http://www.artehistoria.jcyl.es/historia/obras/8089.htmTemplum augural - local que abriga o larário familiar.

Allae – Zonas geralmente porticadas que lateralizam um templo.


Tepidarium - Sala moderadamente aquecida e de passagem, com bancos de mármore , que servia para que os banhistas se habituassem à diferença de  temperatura entre o "Caldarium" e o "Frigidarium".






Reconstituição de um Tepidarium. A partir de: http://lastermas2.blogspot.pt/2006/04/las-partes.htm


 Terma, ae – balneários privados


Ver: Vitrúvio


Thermae et Balnea


Terma (Marcial, Epigramas XIV,163).




ver.


«Mosaico de los baños de Sabratha. Se ven tres estrígiles, dos chancletas de baño y un frasco de aceite. La inscripción, probablemente apotropaica dice: Es saludable bañarse». Muito  possivelmente a inscrição tem uma errata e deveria ler-se  "salvum".


Terminus - limite ou linha de fronteira.


Cada terminus podia possuir cerca de setecentos castrum ou mais.  o início da Época Imperial, no período de Augusto, nas linhas de fronteira, foram edificados monumentos dedicados em sua honra, de tal forma que se passou a chamar esses marcos termini augustales.

Terminus augustal - Marco de termo entre os territórios de duas ou mais ciuitates.

Terra sigilatta - Cerâmica (terra) fina, cujos vasos eram frequentemente marcados pelo selo (sigillum) do fabricante.
Cerâmica fina de mesa romana, que tem no exterior um verniz ou engobe brilhante, que lhe confere resistência, impermeabilidade e aparência vítrea, podendo ser lisa ou decorada. O nome vem-lhe, segundo a versão de alguns autores, de sigillum, a marca do fabricante ou atelier que a produziu. Contudo, parece que  a designação “Terra Sigillata” não provém efectivamente do termo sigilo (marca de oleiro) que alguns desses recipientes possuem, mas que o nome tenha sido atribuído por autores modernos relativamente às figuras em relevo que decoram algumas taças aretinas e que são conhecidas pelo nome de sigillas.








Terra Sigillata . Museu da Batalha.

Territorium - Território ou termo de uma ciuitas.

Tessela - cubo de pedra ou de qualquer outro material usado na confecção de mosaicos. Elementos cúbicos e de pequenas dimensões,compósitos dos mosaicos. As cores dependem da matéria-prima seleccionada, sendo mais frequentes a pedra e o vidro, ou mais invulgares, o metais. Algumas eram mesmo folheadas a ouro.


Tessera - Dado para jogar.

Tessera hospitalis - placa de qualquer material, onde se estabelece os termos de um pacto ou hospitium.


Testudines alveolorum - Sistema de aquecimento que requeria um tanque colocado uns poucos centímetros abaixo do fundo do banho.

Tintinnabulum,-i: Semelhante a um sino, anunciava que já se podía aceder às termas. Sineta.

Thermopolium (pl. a) – local onde se tomavam refeições quentes. Tabernas, normalmente mal afamadas, onde se podia comer e beber vinho.



Representação de Thermopolium proveniente de Trier




Frescos de Thermopolium, Pompeia. a partir de www.rebecca-east.com/Images/thermopolium.jpg

Territoria - demarcação das civitates através dos marcos ou  padrões termini augustales. Ao que se sabe, essa demarcação foi realizada por Articuleio Regulo, no século I d. C., a  mando de Augusto, num total de quatro territoria.

Tesselae – Fragmentos cúbicos cerâmicos, vítreos, pétreos (calcários, marmóreos ou seixos), de pedras semi preciosas ou ainda folheados a ouro que são fixados sobre qualquer superfície plana ou tridimensional, revestindo-a total ou parcialmente, formando um mosaico.

Tessera (ae) – ficha de jogo ou senha que dava direito a regalias à pessoa ou instituição que representava, quer em lugares públicos, quer em provados.

Theca - caixa com vários compartimentos que eram usadas pelos médicos, quando viajavam ou visitavam os seus pacientes, utilizadas para guardar os medicamentos. «Eram uma série de caixas de bronxe, marfim ou madeira que estabam divididas em compartimentos pequenos cada um com a sua própria tampa e que serviam para conter distintos remedios médicos, como unguentos. Algumas destas caixas estabam decoradas com representações do deus Esculápio, deus da medicina e da cura». Em Augusta Emerita foram encontadas duas dessas caixas, uma delas contendo os compostos medicinais. 


Fotografia do Museo Nacional de Arte Romano




Tijolo - artefacto utilizado na construção






Ver: Tijolo cerâmico com marca, proveniente da Villa romana de Milreu. Museu Arqueológico de Faro.


Tituli Picti - inscrições pintadas cujo aparecimento recorrente em ânforas faz deduzir que se relacionavam com a difusão dos produtos  contentorizados.

Togado - a Toga era o símbolo de cidadania entre os Romanos, independentemente de onde eles se encontravam.


Estátua togada. Mértola.


Estátua de togado. Museo Nacional de Arte Romano. Mérida.

A toga era usada sobre a túnica, que só podia ser usada pelos Cidadãos dos mesmos, variando de forma, volume e cor de acordo com o estatuto social. Assim temos vários tipos de Toga:

Toga pura ou virillis (toga viril) – era um toga lisa, feita de lã branca, usada pelos homens quando atingiam a idade adulta.


Toga praetexta - era uma toga branca que apresentava uma banda larga de cor púrpura e era usada pelos jovens que ainda não tinham tomado a toga virillis e, até uma certa altura, pelas jovens que ainda não tinham casado, pois em Época Republicana já só as adúlteras ou prostitutas as utilizavam, bem como pelos principais magistrados e sacerdotes.

Toga candida – toga de um branco imaculado, era usada pelos candidatos a cargos público, os candidati (sing. Candidatu), de onde deriva a palavra candidato). A brancura desta toga simbolizava a candura das atitudes, pois pressupunha-se que os mesmos tivessem não fossem só vestidos de branco (candidus), mas as suas próprias vidas o fossem também.
Toga picta ou purpurea – usada pelos vencedores e, mais tarde, pelo imperador.
Toga sordida ou pulla – era a toga dos mais pobres ou dos réus quando se apresentava no tribunal, funcionando nestes casos, para inpirar um sentimento de piedade.
Toga trabea – era uma toga toda púrpura ou ornamentada com riscas horizontais de cor púrpura. Era usada pelos áugures e sacerdotes durante os rituais, sendo também os próprios deuses representados com esta toga.
Os Escravos e Plebeus pobres apenas usavam a túnica.





Togado de Collipo, A partir de: Portugal Romano


Tonsor - barbeiro 


Topiarius é o único nome usado para o jardineiro ornamental.


Torque –  adorno de pescoço

Torta - bolo, torta.

Torta Alba - bolo de queijo.

Qui venaliciariam vitam exercebat é a significativa expressão utilizada pelo jurista Ulpiano, para indicare a profissão dos que dedicavam à venda de mancipia ou servi sui.

Trapetum - Servia para transformar a azeitona em amurca que,  por sua vez, era transportada para as ceiras ou, em latim, fiscinae. Estas eram, depois de cheias, colocadas no lagar onde se fazia a prensagem.





Trapetum. Pompeia. Fotografía: Heinz-Josef Lücking


Trapetum (mó de azeite), Museo de Boscoreale
Imagem a partir de: Domus
http://domusromana.es/?page_id=219


Trapetum (mó de azeite), proveniente de Pompeia

Torcularium - prensa de azeite  ou espaço para a produção de vinho e de azeite. 

Ver: http://www.latribunadetoledo.es/noticia/ZD08855AA-09EA-7E69-F5911B07081D4DD8/20160221/aceite/vino/carranque

Aceite y vino en Carranque

A. de Mingo

Trutia - balança 




Balança proveniente de Conímbriga. 


«Este instrumento denominado en la antigúedad como "trutia" o balanza "campana", debido a la región donde empezó a utilizarse, está provista de una barra horizontal de sección cuadrangular, dividida por un punto de suspensión, del que aún se conserva el gancho, en dos partes iguales. El menor de ellos está provisto de dos anillas separadas entre si 3 cms de las que cuelgan sendos ganchos destinados a suspender el objeto a pesar, bien colocándolo sobre un plato o bien colgándolo del gancho. Fotografía Ceferino López» A partir de: https://www.facebook.com/MeridaConsorcioDeLaCiudadMonumental

Trépano - Utensílio usado para perfurar a pedra. As marcas da sua utilização são facilmente identificáveis, pois resultam em orifícios circulares mais ou menos profundos, que podiam ser atenuados com outros instrumentos.
O seu uso é reconhecido na estatuária, sendo relativamente fácil identificá-lo por exemplo em penteados.
Este instrumento também era utilizado com finalidades medicinais.

Tria nomina - as três partes que constituíam o nome dos cidadãos. Praenomen, um nomem gentilicium e um cognomen.
O Cidadão romano era quem o utilizava.


Tribunalia - Galerias laterais que davam acesso à orchestra, e sobre as quais se estabeleciam as tribunas.

Triclinium — sala das refeições (ou sala  de jantar) e uma das mais importantes. Compartimento reservado às refeições, com três leitos dispostos em U, à volta de uma mesa; em cada leito cabiam três pessoas. Os Romanos, que antes comiam sentados, mudaram, por influência grega, os seus hábitos, passando a tomar as suas refeições reclinados. A decoração era luxuosa e conhecem-se  mecanismos no tecto que derramavam sobre os convivas flores e perfumes.

Triclinia (lat.) – leitos de três lugares da casa de jantar. Triclinium = (trium três, clines camas) - sala de jantar, aberta para o peristilo.


Tubuli – Tijolos tubulares de secção circular para evacuar a água dos telhados. Era ainda um sistema de circulação de ar quente nas paredes nas zonas quentes dos balneários. Eram executados em cerâmica e tinham buracos laterais, por onde sai o ar.

Tucetum - prato delicado para sobremesas.
Túnica - Veste para ambos os sexos, comprida, apertada ao corpo, cobrindo tronco e pernas.

Unctor - Em Roma, nos Banhos, era comum existir o massagista, que, tal como nos nossos dias, utilizava um anexo das salas de banho para o efeito, no "Unctorium".








Unguentário – recipiente usado para cosméticos ou drogas. Os unguentários os "balsamários", tal como o nome indica, eram usados para os unguentos, bálsamos e pefumes, quer fossem para a higiene, quer com efeitos medicinais de características oleosas.


Unguentário de Villa Cardílio

Ao que se sabe, no período romano era usada comummente a banha de porco misturada com canela como unguento. Já eram conhecidos os cremes usados no rosto e tinham loções e cremes "anti-rugas". Mas aos romanos não eram também desconhecidos os perfumes, utilizados em cerimónias religiosas, como oferendas aos deuses, nos funerais e nas festas familiares, sobretudo nos casamentos. Também se perfumavam os teatros, os vestidos, os vinhos, os estandartes das legiones quando iam para a la guerra ou quando regressavam vitoriosos das suas conquistas. Ao que se sabe, o imperador Nero, durante os seus lautos banquetes ordenava que se derramassem pétalas de flores sobre os comensais e, mais, perfumava as asas das pombas para que ao soltarem-se, deixassem o seu aroma por todos os compartimentos em se partilhava das refeições e restantes “eventos”. A beladona, o meimendro ou belenho e a mandrágora que, em fase posterior, ficaram associadas à bruxaria, eram ervas medicinais, provocando efeitos alucinogéneos ou afrodisáiacos. A "Madragora Officinarum", oriunda da região mediterrânica, tinha efeitos narcóticos. O Belenho ou Meimendro era já usado entre os Egípcios para aliviar a dor e induzir o estado de incosnciência. Na Grécia Antiga era utilizado em envenenmentos e para processos divinatórios. Ao que se sabe, esta planta era utilizada no Oráculo de Delfos, onde as Sacerdotizas ingeriam o sumo das suas sementes. http://www.i-flora.iq.ufrj.br/hist_interessantes/ervas_bruxas.pdf

Urna cinerária– vaso onde se guardavam as cinzas dos corpos icinerados.







Urna cinerária proveniente de Mértola

Urbanitas -

Urbi – Localização


Ustrinum – local de cremação.


Utilitas - sentido de funcionalidade e utilidade.


Vallum - todas as obras de fortificação romana eram compostas por duas partes: um fosso e um talude. Ao fosso denominava-se fossa e ao talude o agger. Muitas vezes o vallum aparece descrito como se tratasse do fosso.


Ver:


http://dagr.univ-tlse2.fr/sdx/dagr/feuilleter.xsp?tome=5&partie=1&numPage=636&nomEntree=VALLUS

Vas  (Vasa) - Vaso, cupa, prato.
Vascularius – fabricante de recipientes. (ver Homem Romano, p: 190).
Vasculum - diminuitivo de Vaso.
Vector, ōris, m. O que transporta. Também se pode usar para designar um passageiro num navio.
Vectura, ae, f. : transporte (por terra ou mar). Pode ainda querer dizer preço do transporte.
Vehiculum, i (pl.) - meio de transporte: carro, carroça

Velaria (latim) – toldo que cobria toda a praça (no anfiteatro), quando o tempo assim o exigia. Normalmente era montado por marinheiros, daí o seu nome.

Vellum - Toldo de grandes dimensões que cobria o teatro romano, protegendo os espectadores nas bancadas do efeito do Sol. Há referências (Lucrécio) do uso deste pano em amarelo, vermelho e púrpura.
A palavra vela deriva do latim "vellum" que, na origem, queria dizer pergaminho de pele de bezerro ("vitulinum" significa feito a partir de bezerro), mas que podia ser de outro animal.
O que designamos hoje por vela latina e que os Portugueses adaptaram, muitos séculos depois, deve ter tido origem por volta de 200 a.C. na região do mar Mediterrâneo.

Vermicyli - pequenos vermes

Versura - Acesso ao proscenium de um teatro.

Vestais – As virgens vestais, sacerdotisas de Vesta.


Vestibulum - Compartimento ou sala de entrada , pequeno, com mosaicos ou pinturas murais, por vezes com inscrições, sendo célebres algumas delas: uma delas de um cão feroz, em posição de ataque, lê-se "caue canem"; noutra podia ler-se "gnôthi sautón" (conhece-te a ti mesmo).

Vexillatio - Destacamento militar, subdivisão de uma cohors (que era por sua vez parte de uma legião). O vexillum era o seu símbolo.

Vexillum - estandarte. É um diminutivo da palavra latina, véu , ou seja, uma vela,  pelo que vexilla  são literalmente "pequenas velas", ou seja  bandeiras/estandartes. No caso do vexillum romano, o pano estava envolto de uma barra horizontal suspenso do pessoal, o que é diferente da maioria bandeiras modernas em que a 'elevação' do pano está ligado diretamente à equipe vertical. O portador de uma vexillum era conhecido como um vexillarius ou vexillifer .
Vexillarus - Imagem obtida a partir de: http://www.caerleon.net/history/army/page5.html

Viae - Vias 
A rede de estradas romanas se dividia em "Viae Publicae" (também chamadas de Militares ou Consulares) que formavam a rede principal que interligava todo o Império Romano, correspondendo, ao que poderíamos dizer, nos nossos dias, às estradas estradas nacionais, as Viae Vicinales, estradas secundárias que ligavam os povoados às vias principais e as Viae Privatae ou Agrari, caminhos agrícolas ou de acesso privado.Ver: André Carneiro, 2008, «Itinerários Romanos do Alentejo», CCDRA http://viasromanas.planetaclix.pt/vrinfo.html Ver: André Carneiro, 2008, «Itinerários Romanos do Alentejo», CCDRA http://viasromanas.planetaclix.pt/vrinfo.htmlSiculus Flaccus, cônsul romano, na sua obra «De condicionibus agrorum» informa-nos: «As vias não têm um único estatuto.


Existem as Viae Publicae; que são construídas com fundos públicos, recebendo o nome do seu promotor. O Curator Viarum era responsável pela supervisão da via cuja construção era adjudicada a empreiteiros. Para a manutenção de algumas delas é fixada uma determinada soma aos proprietários em função da via em causa. Em contrapartida as Viae Vicinales, partindo das Viae Publicae, servem os campos ou ligam a outras Viae Publicae. São construídas noutras modalidades, pelos responsáveis regionais que, em geral, exigem aos proprietários os trabalhos de manutenção.»Ler online in «De condicionibus agrorum» Cap. XIX.A rede de estradas tinha também locais de apoio aos viajantes, como as "mutationes", pequenas estações de muda de montadas e condutores, separadas por 10-12 milhas (15-18 km), e as "mansiones", albergarias onde os vianjantes poderiam reabastecer, alimentar-se e pernoitar. Estas "mansiones" estavam estrategicamente distribuídas de modo a proporcionar alimentação e repouso no fim de cada etapa que em média rondaria um pouco menos de 30 milhas (44 km); valor que se aproxima, curiosamente, do que é utilizado entre estações de serviço das nossas actuais auto-estradas. E ainda havia as "stationes" que dispunham de uma pequena guarnição militar para garantir a segurança e o controlo rede viária em locais perigosos ou de passagem obrigatória pelo que eram muitas vezes fortificadas.Perto de Grândola foi detectada uma estrutura que parece ser uma dessas "mutationes".http://viasromanas.planetaclix.pt/vrinfo.html
As estradas principais eram calcetadas( glareae stratae ), constituídas por grandes lajes pétreas, e tinham um tratamento especial, possuíam escoamento de águas pluviais e marcos miliários para marcar a distância percorrida de 1.000 passos (1.478 metros).As estradas tinham largura variável consoante o trânsito local, chegando algumas aos seis metros,e eram desenhadas evitando zonas inundáveis , possuíndo pontes de pedra para atravessar os cursos de água, ou pontes de madeira em zonas onde a pedra era difícil de obter.Após a terraplanagem, era aberto um cabouco profundo onde se colocava uma camada de pedras graúdas com a espessura de 30 a 60 cms, conhecida como "statumem", parte fundamental da obra, pois era sobre ela que assentava a via. Sobre o "statumem" era colocada areia e gravilha (20 cms), uma camada conhecida como "rudus" e por cima desta outra de igual espessura constituída por pedra triturada misturada com cal , designada de "nucleus". Finalmente todo este conjunto estrutural era coberto por lages talhadas e ajustadas, por forma a obter um pavimento uniformemente liso .A construção das estradas era supervisionada por um responsável ( curator viarium ) que delegava no "architectus" (arquitecto) a sua execução que, por sua vez ,tinha sob direcção um agrimensor e um nivelador (actuais topógrafos) cuja função era traçar estradas o mais planas e rectilíneas possível. Em tempo de paz eram os legionários que as iam construindo, motivo pelo que as Legiões tivessem os seus próprios agrimensores e niveladores.

Na fotografia pode ver-se um "gromma" com o qual se traçavam linhas perpendiculares.Ver: http://wwwnovas.blogspot.pt/2009/11/estradas-romanas.html


Ver: André Carneiro, 2008, «Itinerários Romanos do Alentejo», CCDRA


Vias romanas do conventus scallabitanus . Vasco Mantas




Via Romana de Murça, sobre a ponte do rio Tinhela 11



 A evidência arqueológica mostra, portanto, que existia uma grande diversidade de soluções construtivas em função das características do local da construção e dos materiais disponíveis em seu redor se bem que a maioria segue os mesmos princípios construtivos. Ora esta variedade observada no terreno contraria a 'tradicional' estrutura da via defendida até muito recentemente pelos historiadores da antiguidade clássica e que era baseada numa descrição de Vitrúvio relativa à construção de pavimentos em mosaico que não eram obviamente destinados a suportar o tráfego rodoviário, embora seja admissível que fossem utilizados os mesmos princípios construtivos em ambas as situações. Assim o esquema 'tradicional' do corte da via que é apresentado abaixo é apenas uma versão idealizada e monumental da via com um total de 5 camadas que poucas vezes é observada no terreno. 1. fossa e sulci - leito terraplanado e sulcos laterais para escoamento de água. 2. statumen - camada inicial como fundação com grandes pedras irregulares sem argamassa para assegurar a estabilidade do pavimento e facilitar o escoamento de águas. 3. rudus ou ruderatio - camada intermédia constituída por uma argamassa de cal e cascalho grosso. 4. nucleus - camada superior constituída por uma argamassa mais fina de cal, gravilha, areia grossa ou fragmentos de tijolo disposta em camadas regulares e bem calçadas. 5. summa crusta, dorsum - camada final aplanada de pedra poligonal de granito ou quartzo, eventualmente coberta por uma argamassa feita de cal e areia para um piso liso e suave para rodados. Mas nos restantes troços, menos exigentes em termos construtivos, optavam em regra por uma solução bem mais simples, a deposição de um mistura de terra e cascalho sobre o qual assentava um piso em terra sobre o qual corria a via. Esta estrutura sobrelevada formando um talude de terra é o chamado agger e é este método construtivo simplificado que potenciou uma tão grande extensão da rede viária romana. A rede de estradas dividia-se em Viae Publicae (também chamadas de Militares ou Consulares) que formavam a rede principal que interligava todo o Império Romano, correspondendo nos dias de hoje as nossas estradas nacionais, as Viae Vicinales, estradas secundárias que ligavam os povoados às grandes vias e as Viae Privatae ou Agrari, caminhos agrícolas ou de acesso privado. Usava-se uma mistura de cascalho na construção das vias designadas por centuriais. Trata-se de vias com menor uso, articuladas com o sistema de centuriação ou repartição das terras, interligando-se a outras vias ou exclusivamente como vias de acesso a propriedades privadas (villae e/ou instalações de produção).
Quanto à sua construção, e de acordo com os vários tipos de uso, nem todas elas obediciam aos cânones, existindo viae glarea stratae (ou seja, estradas constituídas por um lastro em brita e cascalho bem compactado) e viae terrenae (simplesmente em terra batida). Sáo ainda de referir as Semita que significa literalmente "caminho", "vereda" e indicava geralmente um traçado facilmente percorrível (especialmente a pé), mas que não tinha as características de uma verdadeira estrada. 
Embora a rede viária romana seja a maior obra de engenharia da antiguidade em Portugal e serem conhecidos inúmeros levantamentos, continua a existir uma grande incerteza quanto aos seus intinerários. 

Para saber mais consulte: http://viasromanas.planetaclix.pt/vrinfo.html 

Sobre este tema, vale também a pena consultar: «Construção de estradas na época romana: técnicas e morfologias. O caso da Itália setentrional».
Michele Matteazzi
Departamento de Arqueologia (Universidade de Pádua, Itália)
http://viasromanas.pt/ceer/ceer.html


Vicanus (pl. vicani) - Habitantes de uma aldeia (vicus).

Vicarius - Escravo às ordens de outro escravo.

Vicus ( pl. Vici) - Povoação. Aldeia. Se lido à letra, traduzir-se-ia por bairro. Mas trata-se de um tipo de forte militar, aproveitando .um assentamento ou povoado  indígena para construí-lo. De escala menor do que uma coloniae ou um de um municipium, o vicus era na verdade dependente deste.

Vigilae - guardas da noite, em oposição a Excubiae, guardas diurnos.

Vigilae acquarii - equiparados aos actuais bombeiros.

Vigilae balneari - encarregados da vigilância dos baneários

Vigililae carcerarii - guardas dos cárceres.

Vigillae horreari - Vigilantes dos armazéns
Ver: http://www.romanoimpero.com/2011/03/vigiles-romani.html



Villa (pl.Villae )– Estruturas agrárias romanas ou casa de campo, o centro construído de uma grande propriedade agrícola ou fundus (com terras cultivadas - agri; área florestal - silva e terrenos de pasto, saltus), sendo genericamente constituídas por:

Villa urbana - A parte da casa de campo, destinada aos senhores. Situava-se geralmente em lugar pitoresco e arejado, sendo cómodas e opulentas.


Villa rustica - Casa de campo, destinada aos criados que, sob a vigilância de um uilicus (escravo de confiança), se dedicavam aos trabalhos agrícolas. Erguia-se à volta de uma espaçosa cozinha.


Pars Fructuaria —sector da uilla constituída pelo armazém ou celeiro.





Ver: Celeiro da villa de Freiria, Cascais. Fotografia de Guilherme Cardoso


Pars Rustica — Sector da uilla destinada aos criados que, sob a vigilância de um uilicus (escravo de confiança), se dedicavam aos trabalhos agrícolas. Era constituída pelo lagar, fornos, etc.
Pars Urbana — sector da uilla constituída pela residência dos proprietários e funcionários adscritos. Situava-se geralmente num lugar pitoresco e arejado e 
eram cómodas e opulentas.


Ver para além da bibliografia referida em Agricultura, as seguintes obras:


J. Alarcão. R. Étienne, F. Mayet, 1990, Les villes romaines de São Cucufate, Boccard, Paris.


J. Alarcão, A Vida Rural no Período Romano.


Maria Cruz Fernandez Castro, Villas romanas en España


Ver ainda Bibliografia sobre as Villae neste site.

Villaticae pastiones - a criação de animais era fundamental em qualquer casa agrícola. O agrónomo Varrão distingue este tipo de criação domestica “ em que se criam galinhas, pombas, abelhas e outras espécies que se podem dar na granja” da pastorícia propriamente dita (Varr. r.r.III.2.13.). A reprodução de animais era uma importante fonte de rendimento, podendo ser muito variada, ao ponto de algumas grandes
villae possuírem viveiros de peixes.

Ver: Da Terra e do Mar: viver em Loulé há 2000 anos

João Pedro Bernardes
13 - 24
REVISTA DO ARQUIVO MUNICIPAL DE LOULÉ n.º 15 2015
https://www.academia.edu/…/Da_Terra_e_do_Mar_viver_em_Loul%…
...



Villicus (pl.Villica) - Encarregado, ou subordinado de confiança, uma espécie de capataz, que, na falta do senhor e diante dos demais subalternos (a uilica, os escravos e criados rurais de posse dele, os jornaleiros e trabalhadores de empreitada a prestarem serviços em caráter sazonal ou temporário...), tinham papel muito semelhante àquele, no modelo de exploração rural dos velhos tempos, era desempenhado pelo próprio dominus. Administrador de uma quinta, feitor, rendeiro ou caseiro. 





Vitis Alba - Vinho de uvas brancas.




Vitrum (lat.) – Vidro




Jarro de vidro soprado proveniente da cidade da Ammaia.




Ver:  Camafeu; Diatreton; Alabastron; Oenochoe; Skyphos: Vidro Duplo; Vidro Mosaico; Vidro Salpicado; Vidro Soprado; Vidro Millefiori; Vidro de Filigrana e ainda:


Abrasão; Esmaltagem; Lapidação

A importação de vidro foi escassa em toda a Península Ibérica até à Pacificação augustana. Contudo, a partir das primeiras décadas do Império, a Lusitânia passou a familiarizar-se com todos os tipos fabricados em Roma e, em meados do século I, entraram no quotodiano das populações com a generalização da técnica do sopro livre , que viabibilizou os custos mais económicos, ao contrário do que acontecia com os vidros-mosaico e os vidros vasados ou prensados em molde que exigiam muita mão-de-obra para acabamentos, e a onde a variedade de cores imitando pedras semi-preciosas, necessitava de matéria-prima cara e de um grande domínio técnico.


«Até ao momento presente, Conimbriga oferece a melhor representação destes tipos de vidro encontrados em Portugal. Infelizmente, a natureza dos achados – lixeiras e níveis de demolição e entulhamento antigos – não permite que tenhamos mais do que um mostruário de pequeníssimos fragmentos; todavia, para quem conhece a vidraria romana, ele é suficiente para nos provar que a esta pequena cidade chegaram, em todos os tempos, peças raras, de excelente qualidade. Entre os vidros do século I a. C. salientam-se as taças [...]. Da primeira metade do século seguinte ou, para algumas formas, um pouco mais tarde, avultam os vidros duplos e os salpicados, as taças caneladas obtidas por cera perdida, e os Skyphoi talhados ou afeiçoados por pacientes lapidadores, as taças sopradas em molde e decoradas com cenas desportivas.»


Às facilidades decorrentes do sopro livre, vieram juntar-se as vantagens económicas do vidro sódico transparente e incolor que Plínio afirma estar, à data em que escrevia a sua História Natural, a praticar-se não só em Itália mas também nas províncias da Gália e da Hispânia.


Os vidros totalmente incolores – preferidos a partir dos finais do século I – tinham uma transparência que se prestava melhor que todas as experiências exteriores a valorizar a lapidação, a gravação e a aplicação de fios em relevo, técnicas que os vidreiros de Alexandria e Colónia desenvolveram ao mais alto nível técnico e artístico.


Do final do Império e perdurando pelo período seguinte, conhecem-se muitos exemplares de taças e lamparinas de vidro esverdeado cujo fabrico acusa a rápida decadência que esta arte conheceu a partir de meados do século IV.


«Na época em que os povos germânicos se instalaram na área do antigo Império Romano do Ocidente, há a referir três estilos de produção vidreira: o vidro bizantino, de tradição romana, no Leste da bacia mediterrânica; o vidro sassânida, de tradição local caldeada com os cânones médio-orientais, na área da Mesopotâmia; e o vidro germânico, simbiose do legado romano com as tradições dos novos colonizadores, na Europa Ocidental. Trata-se, em qualquer dos casos, de vidro sódico.


Em Portugal, os achados de vidro da época da dominação sueva e visigótica são raros. Conhecem-se todavia alguns vasos apodos datáveis dos séculos V-VI»


Adília Alarcão, in «O Vidro em Portugal», coord. Filomena Barata e Paulo Ramos, APAI, 1989.



Copo. Século IV – V d.C. Balsa. MNA. «Trata-se, de facto, de uma taça de vidro pertencente a um espólio funerário da necrópole norte da cidade de Balsa, recolhido por Estácio da Veiga em 1887. Pertence a uma colecção de 200 objectos, dos quais 50 em vidro.Corresponde à fase mais tardia para a qual se conhecem objectos da necrópole (2ª metade do séc. IV ou talvez a 1ª década do V). No catálogo sistemático de vidros de Balsa publicado por Jeannette Smit-Nolen tem o nº vi-97. (Cerâmicas e Vidros da Torre de Ares. Balsa, MNA/IPM, Lisboa, 1994: p. 195, tabela de vidros na p. 234, estampa 39 vi-97 e fig. 14)». Luís Fraga da Silva«Luis Vidros Romanos. Catálogo Vidro em Portugal (co- coordenação Filomena Barata).


(Ver Apuleio, Asno de Ouro, Edições Europa América, p:37


Petrónio pp: 37. Sobre o vidro inquebrantável ver p: 55)


Ver ainda o Glossário do catálogo «O Vidro em Portugal»


Ver: O Vidro Antigo em Portugal, 2009, Museu Nacional de Arqueologia e Museu D. Diogo de Sousa.
Frasco de vidro para azeite (aryballos) com asas de bronze. Mediterráneo oriental. Museum of Fine arts de Boston.









Ver: taça de vidro “fondi d’oro” romana com inscrição «Dulcis Vivas». Aljustrel.




Vidro diatreton - Vaso envolvido por uma fina estrutura vasada e a ele ligado por pontes quase invisíveis, resultantes de um hábil e paciente trabalho de desbaste dee uma única matriz.




Vidro Duplo – Vidro total ou parcialmente  forrado por outro de cor diferente. No primeiro caso, soprava-se uma segunda bola dentro da anterior; na cobertura parcial.


Vidro Millefiori - É uma técnica milenar, muito possivelmente descoberta na Mesopotâmia, conhecida no Antigo Egipto, consiste em juntar bastões de vidros coloridos, fundindo-os em várias etapas. Trata-se de um trabalho artesanal muito elaborado, com grande detalhe e precisão.


Vidro Mosaico - Vidro formado por pequenos elementos coloridos, em forma de rodela ou ladrilho, dispostos contiguamente sobre um molde e unidos entre si por efeito do calor. Cada elemento resultava da segmentação de um feixe de finíssimas varetas de diferentes vidros igualmente ligados por aquecimento.


Vidro Salpicado - Atribui-se a Artas, artista sírio imigrado para Itália, a invenção desta técnica que consistiu em lançar gotas de vidro de outra cor ou multiculor sobre a bola de vidro, no início do sopro. Terminando este, os salpicos ficavam irregularmente distendidos e incorporados na matriz. latim) – jardim onde podia haver flores, estátuas, fontes.


Viridarium - Jardim privado ou jardim ornamental, podendo, contudo estender-se a bosques ou parques.

Ver: 

http://penelope.uchicago.edu/Thayer/E/Roman/Texts/secondary/SMIGRA*/Hortus.html


Voluta – Elemento decorativo influenciado na ideia do couro enrolado, descrevendo, em secção, um movimento espiralado.

Votus - Tal como na actualidade, os votos eram pedidos feitos a uma divindade por um indivíduo. Mas também havia votos públicos - vota publica - , quando os sacerdotes solicitavam benefícios relacionados com o Estado ou a comunidade, a exemplo de favorecimento na guerra.


As divindades exigem que se façam oferendas e assim aparecem os ex-votos que só eram oferecidos depois da concretização do pedido.


No caso da devocio, o procedimento era ao contrário. Um oficial podia oferecer a sua própria vida para que Roma fosse beneficiada na batalha.


Ver: http://historicodigital.com/votos-y-exvotos-en-la-religion-romana.html







Ver:Ex-votos do Museu de Pontevedra


Vrna - urna, jarro, cântaro.

Vrnula - recipiente pequeno.



Foto de M Conceição Lopes.
Agradecendo a partilha da fotografia e comentário a
M Conceição Lopes



VOTO
Denário Romano datado de 113 a. C.
Anverso : efigie de Vesta
Reverso : LONGIN III V Togatus, inserindo numa(cista) urna um boletim de voto no qual se pode ler V(uti rogatus)

Iconografia e texto das faces da moeda invocam o famoso processo das Vestais, em 113, e a lex tabelaria a propósito do procedimento do voto.
L. Caius Longinus Ravila que presidiu à comissão especial instaurada para decidir do destino (condenação á morte) de três Vestais que violaram o voto de castidade.
Esta moeda, do último século da República, revela o desejo dos monetales (magistrados responsáveis pela emissão de moeda) de estimular os seus concidadão a participar nos problemas do seu tempo. Estas interpelações relativas aos problemas da actualidade, como os invocados nas cenas de voto, são frequentemente trazidas para a iconografia das moedas, reportando as lutas políticas da época.

Vulsella - são utensílios muito frequentes, comuns para uso medicinal, com duas formas caratcterísticas. «Algumas eram constituídas por duas hastes unidas numa extremidade, outras eram constituídas por duas hastes que se cruzam e se mantêm unidas por meio de um rebite. As extremidades livres podiam acabar a direito, dobradas para o interior ou em forma de colher, podendo ou não ser dentadas. Algumas podiam ter um anel ajustador para melhor preensão. Dentro do primeiro tipo incluem-se as pinças de depilação, constituídas por uma haste dobrada sobre si, podendo ter as extremidades dobradas para o interior, e as pinças de tumores, myzon, constituídas por duas hastes unidas por uma balaustrada decorada com ovóides ou anéis. As primeiras serviram para a depilação pré-operatória, eliminação de corpos estranhos ou de fragmentos de ossos. As segundas foram utilizadas para segurar tumores que seriam cortados pelo escalpelo, no tratamento de hemorróidas e de úvula proeminente, podendo ter as extremidades lisas ou dentadas ». 

Xorca – colar rígido de prestígio com as pontas estreitadas, geralmente em metal precioso;


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Nota: Apenas cito Bibliografia genérica para os assuntos tratados ou referência a autores clássicos.


Refiro ainda alguns livros que me foram fundamentais no período acima mencionado, sendo que actualizarei, sempre que possa, a bibliografia entretanto consultada. Sobre as cidades, poderá consultar bibliografia específica neste blogue.


No que respeita à herança romana em Portugal, refiro o notável «Roman Portugal» de Jorge de Alarcão (1988), bem como a obra do mesmo autor «Portugal das Origens à Romanização» (Presença, Vol. I in «Nova História de Portugal«).


A obra de Carlos Fabião «A Herança Romana em Portugal», editada pelos CTT, em 2006, é um belíssimo manual sintético de consulta fundamental.


Para os termos de arquitectura, entre muitas obras, foi-me fundamental a obra «La Construction Romaine» de Pierre Adams.


Mas também «L’Architecture Romaine» 1. Les monuments publics». Pierre Gros, 1996. Les Manuels d’Art et d’Archeologie Antiques.


Historia Arte Romano de Garcia Bellido, Consejo Superior de Investigaciones Cientificas, Madrid, 1990.


Tecnica Costruttiva Romana de Roberto Marta, 1991, Roma


Para o território português, sobre as Cidades, saliento que, à época, uma obra me foi fundamental: «A Cidade em Portugal, uma Geografia Urbana», Teresa Salgueiro, Edições Afrontamento, Porto, 1992.


Para a exploração de recursos, veja-se o belíssimo catálogo: «Portugal Romano, A Exploração dos Recursos Naturais», Museu Nacional de Arqueologia, 1997.


Para o mundo rural, para além dos já acima mencionados, refiro a importância que teve, à altura a que me reporto, a obra Villas Romanas en España, Maria Cruz Fernandez Castro, 1982, Ministerio de Cultura, Madrid.


Para os espectáculos públicos recomendo a consulta de LVDI ROMANI. Espectaculos en Hispania Romana. 2002, Museo Nacional de Arte Romano, Mérida.


Vale a pena consultar também o site sobre o Teatro Romano de Lisboa, pois, no que respeita aos termos relacionados com as representações cénicas nos apoiámos também. http://www.museuteatroromano.pt/Paginas/glossario.aspx


Dictionaire de l’Antiquité – 1993, Éditions Robert Laffont. Paris.
Para as Religiões da Lusitânia, a obra com esse mesmo nome, «Religiões da Lusitânia - Loquuntur Saxa», editada pelo MNA, em 2002, sob a coordenação científica de José Cardim Ribeiro é indispensável.
Autores latinos Consultados:


Apiano, Guerras da Ibéria.


Apuleio – Asno de Ouro, Edições Europa América


Claudiano, O Rapto de Prosérpina, Editorial Inquérito


Epitecto – Manual de Epicteto


Estrabão , Geografia (segundo España y los Españoles hace dos mil anos), Antonio Garcia Bellido, Sétima Edição, Madrid.


Fontes Hispaniae Antiquae , dirigidas por A. Schulten e Maluquer de Motes, Instituto de Arqueologia e Prehistoria, Barcelona, 1987.


Hispania Antigua, segun Pomponio Mela, Plinio el Viejo y Claudio Ptolomeu (edição, índices e tradução de Vergilio Bejarano. Prólogo de Juan Maluquer de Motes y Nicolau, Instituto de Arqueologia e Prehistoria, Barcelona, 1987).


Historia Augusta, 1989, coord. Vicente Picón y Antonio Cascon, AKAL/CLASICA. Madrid. Trata-se de uma obra que compila os biógrafos latinos, tratando da vida dos imperadores de Adriano a Caro, Carino e Numeriano.


Luciano, Eu Lúcio, Memórias de um Burro.


Petrónio, Satiricon


Pomponio Mela, Chorographia ver in Hispania Antigua


Plínio (colect.) – Textos de História del Arte, Edición de Esperanza Torrego, La Bolsa de la Medusa, Madrid, 1987.


Plínio o Velho e a Lusitânia, Almílcar Guerra, Edições Colibri


Políbio – Historia Universal Bajo la Republica Romana, 1968. Editorial Iberia. Barcelona (III volumes).


Suetónio – Vida de los Doze Césares. Editorial Juventud, S.A. Barcelona, 1978.


Tácito – Anales. 1986. Editorial Planeta. Barcelona.


Tertuliano – A Moda Feminina/ Os Espectáculos.


Tito Lívio – História de Roma.


Vitrúvio – Da Arquitectura (ver a edição).


Sobre os Fora: Curia Ordinis.


Ver ainda: Hispania, el Legado de Roma, 1999, Ministerio de Educación Y Cultura, Zaragoza.


Ver: Le Dictionnaire des Antiquités Grecques et Romaines de Daremberg et Saglio


http://dagr.univ-tlse2.fr/sdx/dagr/rechercher.xsp

Glossário do Museu do Teatro de Lisboa

Sobre os instrumentos cirúrgicos:

GOMES, Joana Farinha, Os materiais médico-cirúrgicos de época romana do Museu Nacional de Arqueologia. 2010. http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/1782/1/22837_ulfl076027_tm.pdf

Ver : A Medicina em Mérida